10 de junho de 2011

Do ruralismo ao abandono! / O Interior/ 9-6-2011




Vou inutilizar a vantagem que poderia ter por poder escrever depois de conhecidos os resultados eleitorais de domingo próximo (próximo em relação ao dia em que escrevo esta croniqueta e anterior à saída do jornal).
Não acompanhei a campanha eleitoral, por razões diferentes dos muitos que acham que isto de campanhas é uma treta, a democracia um embuste, ou porque acham que os políticos são uma praga que alapou no aparelho de Estado, autarquias, empresas publicas e por aí fora.
As razões de não acompanhar a campanha tem sobretudo a ver com a prevalência de lugares comuns, de um léxico esvaziado e acima de tudo o desapetecer-me ver as caras costumeiras e a indiciarem futuros habitualmente rotineiros e desfasados das realidades vividas na nossa comunidade.
Há cerca de vinte e cinco anos, na sequência da iniciativa do saudoso António Palouro, nas terceiras jornadas da Beira Interior (1990), numa das sessões que assisti na Covilhã deixei perplexos os “achólogos” de então, quando numa de “apoliptólogo” afirmei peremptoriamente que o “Interior era para esquecer”.
Levantou-se na sala o coro inflamado dos “Indefectíveis do Interior” que desacharam piada à minha intervenção. Lembro-me que já nessa altura peguei em números para me justificar, e ao tempo convenhamos que os números não eram tão teimosamente negativistas em relação á realidade de hoje.
Quando ao tempo disse que uma das razões determinantes do atraso do interior, tinha a ver fundamentalmente com a melhoria das acessibilidades, situação que convenhamos positiva, as pessoas presentes olharam-me quase com comiseração. Na realidade, as aldeias do interior foram perdendo gente, já não apenas por não haver recursos endógenos que permita a sua fixação perene, mas porque todo um conjunto de actividades económicas que iam gerando alguma economia local vão paulatinamente desaparecendo. Exemplifico actividades tão comezinhas como a padaria local, que encerrou porque o padeiro vem da cidade, a loja de “comércio misto”, que vendia do bacalhau ao prego acaba por fechar também por razões de “modernização do comércio”, o armazém dos adubos e sementes que desaparece pelo crescente abandono dos campos, e por aí fora. A economia local também por isto entra em colapso e despovoa-se a comunidade.
O padre, o professor e outros amanuenses que antes tinham que se fixar nas terras, e que acabavam por ser determinantes no associativismo e nalguns casos na elevação cultural dos cidadãos, passam a viver em cidades e deslocam-se a aldeias e vilas para trabalhar as horas contratualmente acordadas, deixando de viver o quotidiano local com todas as consequências que daí vão advindo.
Se antes se estoirou literalmente dinheiro em polivalentes por todo o interior, apesar de pontualmente se ter justificado por haver gente para os utilizar, o que a matriz do interior são as populações das aldeias, mais pedem é a construção de “casas mortuárias”, o que de certa forma não deixa de ser premonitório.
Havemos de voltar ao tema quando passar a incontinência verbal do eleiçoeiro!


Fernando Pereira 4/6/2011

3 comentários:

Mercearias disse...

Plenamente de acordo. Aliás vou procurar um texto que escrevi sobre o assunto, acho que, em Janeiro e envio-to.
Um abraço

Mercearias disse...

Plenamente de acordo. Escrevi um texto sobre o tema à pouco tempo. Vou procurá-lo e envio-to.
Abraços

Anónimo disse...

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1874761

Related Posts with Thumbnails