29 de dezembro de 2011

THE NEXT / Novo Jornal 206/ Luanda 30/1/2011







No fim deste 2011, ano de muitas mudanças, algumas imperceptíveis no contexto geopolítico regional e mundial o que se nos oferece pensar é que anda demasiada indefinição no quadro da economia e um lodaçal autêntico no plano da ideologia.
Vinte anos depois de Gorbatchev ter feito o discurso de renúncia da presidência da URSS, o seu consequente colapso, onde simultaneamente todas as repúblicas ascenderam ou retomaram a sua independência, olhamos para o mundo de uma forma mais apreensiva, mau grado os dias de esperança que marcaram o fim da burocracia soviética, verdadeira causa do estertor final da grande revolução socialista na história mundial.
Como não sou economista e também tenho pouca queda para a tarologia admito com alguma dose de leviandade que acho ambiciosa a meta apontada para o crescimento económico de Angola no próximo ano, num cenário de aparente retracção da economia mundial e onde o nosso único produto de exportação estará exposto às contingências das alterações que se perspectivam.
Logo se vê o que acontece, porque mesmo para fracassar é preciso talento, e nisso ainda estamos longe do aceitável, mesmo no nosso modesto padrão de desenvolvimento.
Como sempre defendi que o pessimista é um optimista com experiencia, talvez eu não esteja a ver o quadro correctamente e vou-me limitar a esperar ver na imprensa notícias que há muito me desabituei e nalguns casos não me lembro de haver nada publicado.
Nunca consegui perceber como é que em Luanda se constroem novos bairros, se estruturam novas urbanizações e não se consegue ver um sistema aceitável de esgotos e estações de tratamentos de águas residuais. Acho que é quase o mesmo que mudar a fralda a um bebé sem lhe limpar o rabo.
Continuo a desperceber porque é que os colectores de águas pluviais, as suas bocas de drenagem estão sistematicamente obstruídos para além de estarem obsoletas e desadequadas do anárquico crescimento da urbe.
Recordo-me das grandes chuvadas em 1963, e lembro-me de ver o estado geral da cidade, com os alicerces do Colégio de S. José de Cluny completamente à mostra e em risco de derrocada para a rua do SANA. A cidade era um pandemónio, com a baixa inundada de lama, as ruas com crateras onde os velhos autocarros azuis estavam “afocinhados”. A Samba na altura ainda com pouca construção clandestina viu as areias dos seus morros depositarem-se na velha estrada da Corimba e a Praia do Bispo, com as casas da marginal cheias de lodo. Só víamos lodo, água e muita destruição um pouco por toda a cidade ao tempo com um perímetro urbano pequenino em relação ao de hoje.
Iniciaram-se de imediato toda uma série de trabalhos, nomeadamente muros de suporte, canais de escoamento de água (o Rio Seco) e melhoria do colector central da parte baixa da cidade para conseguir suster as chuvas que em Março caiam pouco mas bem!
O que vamos assistindo é que basta um borrifo e o caos na cidade generaliza-se, e não se consegue vislumbrar um projecto coerente que consiga acabar com uma das causas da vivibilidade de Luanda ser tão má. Era capaz de ser uma aposta interessante para uma cidade capital que quer ter sapatos de verniz mas tem que os ter a chafurdar no lodaçal!
Gostava de ver as grandes cidades de Angola criar nos seus arrabaldes uma estação de resíduos sólidos urbanos, vulgo lixo, já que amontoado e queimado de forma desordenada é dramático para a salubridade, e nem vale a pena repetirmo-nos sobre as consequências da inexistência de um sistema coerente para melhorar o quotidiano de vida dos cidadãos.
Era capaz de querer mais coisas em 2012, como por exemplo aproveitar a nova onda de envidraçar edifícios, espelhá-los, e sendo assustadores no aspecto e inadequados ao clima de Luanda, mas pudessem aproveitá-los para instalar um sistema em que esses vidros pudessem converter em energia a ser usado no prédio dispensando a electricidade dos geradores, mais uma chaga no ambiente urbano onde o luandense vive.
Sou capaz de querer ver mais coisas em 2012, mas vou ficando atento para ver se as coisas acontecem.
Um bom ano de 2012 e nunca esqueçam que Ernest Hemingway dizia: “O mundo anda três whiskies atrasado!”.
Fernando Pereira
26/12/2011

23 de dezembro de 2011

Bom dia da Família / Ágora / Novo Jornal 205 / Luanda 23/12/2011





Cem mil mortos depois as ultimas tropas americanas abandonam o Iraque.
Deixam um simulacro de País onde as instituições não funcionam, as tensões sociais, religiosas e políticas se mantém num quadro de perigosidade permanente para o quotidiano dos cidadãos iraquianos, que eram governados por um tirano acolitado por um bando de tiranetes, mas que apesar de tudo conseguia ser mais tolerante que a maioria das oligarquias dependentes das receitas do petróleo que enxameiam a região, mas “bons” já que indispensáveis para a “economia de mercado”.
As “primaveras árabes” da Tunísia, Egipto, Líbia e as que se avizinham, Síria e Irão, vão “legitimar” um novo conceito de democracia, e eis-nos perante um difuso quadro de relações internacionais em que o despudor passa a ser quotidiano.
O mundo não se consegue livrar da sórdida aliança entre os mercados e “West Point” onde se começa a perceber que cada vez se constrói relações cada vez mais obscuras e imperfeitas.
A TV mostra em directo a “inevitabilidade” das acções para que a” liberdade” prevaleça no mundo. Como dizia o insigne e mal amado poeta português Jorge de Sena (1919-1978) – “De cada vez que há um governo”: “De cada vez que um governo necessita de segredos, /por segurança do Estado, ou para melhor êxito das negociações internacionais, / é o mesmo que negar, como negaram sempre desde que o mundo é mundo, /a liberdade. /
Sempre que um povo aceita que o seu governo, /ainda que eleito com quantas tricas já se sabe, /invoque a lei e a ordem para calar alguém, /como fizeram sempre desde que o mundo é mundo, nega-se/a liberdade. /
Porque, se há algum segredo na vida pública, /que todos não podem saber, é porque alguém, /sem saber, é o preço do negócio feito./E, se há uma ordem e uma lei que não inclua/mesmo que seja o último dos asnos e dos pulhas /e o seu direito a ser como nasceu ou fizeram, / a liberdade.”.
Esta semana fez cinquenta anos em que o som do “Angola é Nossa”, onde cronicava de Luanda, Ferreira da Costa para a Emissora Nacional de Portugal, foi substituído pelo enfático: “os sinos da Velha Goa e as bombardas de Diu serão sempre portugueses”, uma resposta retórica à invasão dos territórios incrustados na União Indiana de Goa Damão e Diu. A um exército de opereta mal equipado e sem estímulo para o que quer que fosse, Salazar, que apenas saiu de Portugal duas vezes (uma a Paris enquanto estudante, e duas a cidades fronteiriças com Espanha para falar com o ditador Franco), que nunca fez serviço militar, exigia que em nome das “pedras das fortalezas de Damão e Diu e das Igrejas de Goa” que os soldados resistissem até ao limite saindo “vitoriosos ou mortos”. Nem uma coisa nem outra porque prevaleceram o bom senso do governador da então província que num gesto de grande dignidade aceitou uma rendição honrosa, que lhe valeu o opróbrio aos olhos do regime. O que não deixa de assumir contornos de alguma bizarrice é que Luanda, tão ciosa nas suas mudanças de toponímia e alterações administrativas, ainda prevalece uma Rua da Índia, e em baixo uma referência ao Estado Português da Índia, próximo do Largo do Cruzeiro, paredes meias com o cemitério do Alto das Cruzes!
Morreu o filho do outro, que vai deixar o filho como sucessor. Isto vem a propósito da morte do Kim Jong-Il, filho e herdeiro da ideia Juche do grande líder Kim-Il-Sung. As relações visíveis com Angola estão no quotidiano urbano da cidade de Luanda onde as estátuas horríveis acabam por menorizar a imagem das figuras referentes da nossa história recente.
Há trinta anos a embaixada da RDP da Coreia resolveu promover um concurso literário alusivo ao trabalho do “Grande líder Kim-Il-Sung” na liderança do País. Em Angola ganhou o concurso o falecido Ricardo Manuel com um livro de poemas que julgo que se chamava “Coreia, meu amor”. O Ricardo ganhou o prémio e lá foi até à Coreia onde andou e recebeu todos os encómios pela obra publicada, “um enorme êxito em Angola” e outros elogios do tipo. O Ricardo Manuel era gerente da Lelo e em Luanda durante uns meses a montra central foi ornada com todo um conjunto de livros do “Grande Líder”, fotos das homenagens ao poeta e entre dois naperons de renda uma enorme fotografia do pai deste que morreu e portanto avô do que aí vem, numa perfeita estultice de um socialismo que talvez nunca o tenha sido.
Como não sou muito de Natais, e gosto mesmo é do Dia da Família, quero mesmo é que o passem bem!
Fernando Pereira
19/12/2012

15 de dezembro de 2011

AMNÉSIA REVIGORADA / Ágora / Novo Jornal nº204/ Luanda 16-12-2012





Adriano Moreira foi agraciado com o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade do Mindelo, em Cabo Verde.
Germano de Almeida insigne escritor cabo-verdiano é o seu padrinho, o que de facto me deixa perplexo pelo muito respeito que tenho pelo poeta e pelo nenhum que tenho pelo homenageado.
Adriano Moreira é um verdadeiro sibilino na política, onde paira há mais de cinquenta anos, mesmo que mudem regimes, primeiros-ministros, presidentes da república em Portugal e alterações sociológicas e políticas no mundo.
Recentemente a jornalista angolana, Diana Andringa fez um documentário interessantíssimo sobre a Colónia Penal de Cabo Verde, “Tarrafal: Memórias do Campo da Morte Lenta”, onde conseguiu reunir dois sobreviventes portugueses e umas dezenas de cabo-verdianos, guineenses, angolanos que por lá passaram, e onde morreram 32 portugueses, 2 angolanos e 2 guineenses.
“Ainda vivemos à conta de uma memória salazarenta que nos puseram na cabeça e não corresponde à verdade", disse Diana Andringa, razão por que considera sua obrigação "desmontar" o que foi a "propaganda do fascismo e mostrar o lado que não interessava mostrar" antes da revolução de 1974."É que muita juventude continua a desconhecer que tivemos 48 anos de fascismo, muita gente morta e ainda hoje temos muita gente marcada pela tortura", argumenta."E um país não cresce sem a memória do passado", sublinha a jornalista, que conhece bem a realidade do campo do Tarrafal e da prisão antes do 25 de Abril de 1974 uma vez que ela própria esteve detida em Caxias ao abrigo de um processo ligado a movimentos pró independentistas.
Recorde-se que o Campo de Concentração do Tarrafal foi criado em Abril de 1936, e inaugurado em Setembro do mesmo ano, essencialmente com presos da revolta da Marinha Grande e da revolta dos Marinheiros. Foi encerrado em 1954.
Adriano Moreira reabre-o em 1961 com o nome de “Colónia Penal de Chão Bom”, para onde enviou os condenados de “delito de opinião” das colónias, donde foram libertados em Maio de 1974. Muito indignado ficou quando alguém o confrontou com essa abertura, tendo dito que não reabriu nada, criou uma estrutura nova. Essa estrutura era a mesma que «Quem vem para o Tarrafal vem para morrer» como diziam os directores do Campo, Manuel dos Reis e João da Silva ou «Eu não estou aqui para curar doentes, mas para passar certidões de óbito», dizia o médico do Campo, Esmeraldo Pais Prata.
Ministro do Ultramar que Salazar nomeia na esteira dos acontecimentos de 15 de Março de 1961 em Angola, Adriano Moreira supôs que seria o delfim do regime, e ei-lo a tentar pelos meios mais sórdidos abafar todos os seus potenciais adversários. Marcelo Caetano e Venancio Deslandes foram dos seus alvos com o beneplácito do sardónico primeiro-ministro português. Foi o homem adequado para que Salazar se visse livre de certa gente, e quando tudo serenou, o seminarista de Santa Comba despachou-o mais ou menos ao estilo que já tinha feito com outros.
Adriano Moreira era um jovem professor do ISCPU, cultor e divulgador do luso-tropicalismo do brasileiro Gilberto Freyre, portador da ideologia que enfatizava as qualidades do português enquanto homem de grande humanismo e enorme espírito de promoção civilizacional dos negros africanos.
Chegou a Angola cheio de reformas que no essencial era mudar tudo para que tudo ficasse na mesma. Claro que tudo ruiu como um castelo de cartas, porque a partida já tinha passado para a sua fase de confronto decisiva.
Voltando ao Honoris Causa condenado por todas as associações de ex-presos políticos da lusofonia, nomeadamente a cabo-verdiana pela voz do seu presidente Pedro Martins que considera isto um “insulto” e que a «a distinção é contra tudo o que lutámos para pôr fim ao regime colonial fascista».“Ali é só deixar de pensar. Porque se não morre aqui de pensamentos. É só deixar, pronto. Os que têm vida ficam com vida. Nós aqui estamos já quase mortos.” A frase é do angolano Joel Pessoa, preso em 1969 e libertado, com todos os outros presos do campo, em 1 de Maio de 1974, no documentário de Andringa.
Adriano Moreira tentou sempre ser equidistante de tudo, mas a realidade é que foi estando em tudo que ao colonialismo diz respeito (Sei que há muitos na terra que não gostam do termo, apesar de noutras alturas berrarem bem alto contra ele, e alguns arvorarem-se em combatentes de primeira água).
Como já fui vendo tanta coisa, espero que Angola não faça o que já fez com outros de igual jaez, e premiarem-no “por razões de ordem científica” como estão a fazer no Mindelo.
A memória tem que estar presente para que a dignidade de angolanos não seja violentada por uns basbaques, que ainda não conseguiram acertar a sua consciência com a história.
Já agora perto da fábrica da Cuca havia um bairro com o nome dele, e felizmente que a toponímia em certos casos foi mesmo bem mudada na nossa cidade!
DesaTARRAFALem-se deste tipo de gente!

Fernando Pereira
13/12/2011

12 de dezembro de 2011

MPLA MOVIMENTO/ MPLA-PT/ MPLA PARTIDO / Ágora / Novo Jornal 203 / Luanda 8-12-2011







“Os capitalistas têm dinheiro e compram tudo: justiça, polícia, padres, governo, tudo. A gente só tem um capital: os companheiros.
Jorge Amado, in “S. Jorge dos Ilhéus”
À evolução sempre necessária, e neste momento histórico exigido pela transformação social e pela maturidade da grei, para um mais amplo sistema de direito publico, substitui-se tragicamente e de uma forma apressada o sistema, levando à quebra de tradições e à divisão dos homens em vencedores e vencidas.
A ausência de cultura, aliada à falta de consciência política global, gera a bastardia irremediável do voto, e a organização dos partidos não como expressões tendenciais dos grandes rumos de opinião publica, mas sim como simples associações utentes do poder, assentes na importância social da licenciatura e gerando uma nova forma de privilégio parasitário.
Os sistemas políticos nunca são perfeitos e a democracia só o será quando um grau de preparação económica, social e cultural do povo for determinante de uma consciência do direito político individual, e que no momento de acção resulte em vontade colectiva.
Cada novo messianismo na acção política, cada nova ideologia redentora, enche o povo de promessas e mesmo de realizações. Por um momento efémero domina a prole e arrasta os homens na sedução do novo ideal colectivo. A pouco e pouco porém, a vida reflexiva e consciente retoma os seus direitos, a inteligência renova as suas perguntas, e os problemas renascem para a diversidade discutível das várias soluções.
E como o homem angolano nesta fase só concebe a política em termos de ideal absoluto e redentor, e existe na forçosa circunstância de vencido ou de vencedor, a acção pública situa-se em coordenadas de “guerra”, de sentido de revolta ou de defesa a todo o custo.
Ser adversário político é sinónimo de inimigo pessoal. O partidário do poder, olha para os adversários como uma raça diferente, uma espécie de monstros capazes de todos os “crimes”. O adversário do poder, pelo seu lado, olha para os outros como uma tribo estranha, que se apoderou do mando ou de desmando nalguns casos.
O sentimento comum da existência colectiva o conceito de solidariedade, o ideal de uma vida comunitária e irmanada numa obra comum a construir em cada hora, são tropos literários, cuja verdade profunda jaz moribunda.
Até quando poderemos resistir à trágica divisão das pessoas, à triste dialéctica, à partilha do destino humano, na injusta base do vencido e do vencedor?
Este texto é alusivo ao 10 de Dezembro de 2011, num muito MPLA –PT que gosto, mas que tem demasiado MPLA que me desgosta!
À margem disto tudo, só aqui fica o meu derradeiro abraço ao meu amigo e camarada Helder Moura (Dédé) com quem partilhei muita coisa boa em quase quarenta anos . Homem de grande carácter, cultor de amigos, pessoa que se habituou a reagir às adversidades que a doença lhe ia trazendo, com enorme força de vontade e com a calma só possível nas pessoas que sempre estão bem consigo. Vais-nos fazer falta, mesmo que às vezes estivéssemos tempos sem nos encontrarmos, mas quando isso acontecia era sempre um excelente reencontro. À Ana e aos seus filhos os meus sentimentos e orgulhem-se no marido e pai que tão cedo nos deixou a todos.
Fernando Pereira
6/12/2011

8 de dezembro de 2011

Os três efes da má memória! / O Interior / 8-12-2012


Começo pelo fim, pode ser que a crónica seja mais curta: A quem me lê, aos que dizem que lêem e aos que nunca me lerão, só quero mesmo que todos se aNATALem uns aos outros.
Desvou andar por aqui a dizer das razões porque inaprecio a época, mas são suficientemente convincentes para desejar que passe “rapidamente e em força”, recuperando um velho slogan do “Botas” de má catadura.
Confesso que não sou um apreciador de fado, embora haja um conjunto de fadistas que gosto de ouvir numa ou noutra interpretação. Também partilho a ideia que a Amália é indiscutivelmente a melhor de todas, e ouvi-la em determinadas canções, com poemas de gente notável é quase uma das raras “liturgias” que faço sem reservas.
Isto vem a propósito do fado ter sido muito justamente elevado a património imaterial da humanidade pela UNESCO. Tenho a convicção que foi um bom esforço, revelou trabalho e sensatez por parte dos que muito se envolveram, e passada a euforiazinha continuamos na mossa modorra quotidiana em que “tudo isto existe, tudo isto é triste, tudo isto é fado”, e rapidamente nos vamos esquecer, como aliás acontece com todas as distinções que nos fazem um pouco menos infelizes.
Voltamos aos famigerados três Fs (efes) que foram os pilares onde assentou toda a ideologia corporativista em Portugal, depois de se ter estafado até à medula, os Afonsos, os Henriques, Gamas, Cabrais, Albuquerques e um conjunto de gente que de vela içada e brandindo a espada decepavam os infiéis desde a Europa aos confins do oriente.
Fátima continua com o monopólio das peregrinações na Europa do Sul, e com Lourdes tão longe e Santiago de Compostela para outra categoria de peregrinos, não temerá certamente concorrência nos tempos mais próximos, apesar de no quadro da economia da ICAR, “as velas derretem e a massa fica”, que talvez posa indiciar alterações.
O Fado ao alcandorar-se a este patamar vai com toda a certeza melhorar a sua qualidade, proporcionar o aparecimento de um maior número de intérpretes, músicos e compositores. Que não volte o “ O faduncho choradinho/de tabernas e salões semeia só desalento /misticismo e ilusões /canto mole em letra dura /nunca fez revoluções” (GAC- Vozes na Luta ) .
O Futebol pelos dinheiros que envolve, o protagonismo de muitos agentes que em circunstâncias normais ninguém descobria o mínimo de talento ou quiçá alento, os espaços importantes em toda a imprensa e o “arreganho” dos adeptos e sócios permite ao sistema político apaparicar este F (efe) de uma forma enfática.
Só há um detalhe neste F(efe) que ainda não está ao nível do período que antecedeu o 25 de Abril de 1974, e tem a ver com o fim da “combinação” do antanho, o famoso BSB (Benfica, Sporting e Belenenses), superada pela supremacia incontestada da brilhante organização do Futebol Clube do Porto no quadro desportivo nacional e internacional. Demonstra acima de tudo que mesmo com o espoliar por parte de Lisboa do que foi a economia florescente do norte do País, para entregar à especulação financeira e imobiliária de arrivistas de má índole da capital, o Futebol Clube do Porto faz com que de facto o terceiro F não tresande a um regime quase maurrasiano.
Aproveitem e tentem ver o Natal através de um tablet!
Talvez até para o ano!

Fernando Pereira
5/12/2011

1 de dezembro de 2011

(RE)PERCUTIDO! / Ágora / Novo Jornal nº202 / Luanda 2-12-2011





Confesso que por vezes vejo-me completamente “à rasca” para escrever esta coluna.
Não tanto porque me faltem temas, mas porque a vontade de escrever sobre eles acaba por ser pouco estimulante, arriscando-me a dar-lhe alguma visibilidade acaba por fazer subir protagonistas e casos de um medíocre menos menos, para um medíocre menos mais, como era vulgar pontuarem-me no que para mim era a “indisciplina” ciências naturais, ou físico-químicas no vetusto Salvador Correia.
Gostei de ver o excelente trabalho de recuperação dos azulejos na fortaleza de S. Miguel, o que vai mostrando que há sensibilidade para ir recuperando parte do nosso tangível património histórico. Continuo a olhar com enorme satisfação a reconstrução e adaptação da antiga fábrica de sabão (Congeral) no sopé da fortaleza, que sem dúvida vai enobrecer a cidade e devolver aos cidadãos uma parte de um dos últimos edifícios representativos da paupérrima arqueologia industrial de Luanda.
Cada vez que ali passo vem-me à lembradura o cheiro do fabrico do sabão, que pairava em todos os quarteirões à volta e que se misturava com as conversas em tom de malte altíssimo na esplanada do Baleizão, onde eu enterrava as minhas sandálias num mar de casacas de tremoços e devorava um gelado, onde pela única vez na minha vida vi um sabor de cor azul, que sabia tão bem como os outros. A fábrica de sabão passou para perto da refinaria e aquilo passou para armazém de frigoríficos, oficina do Pólo Norte do Ferrobilha Guedes, entrando em acelerado estado de degradação, até ter aparecido esta excelente ideia, materializado no que vamos vendo aparecer e crescer.
Havia no Museu Central das Forças Armadas um cartaz em que mostrava uma arma capturada ao exército colonial que dizia:” ...foi capturada na 1ª Região Politico ou Militar”. Eu sugeri que aquilo fosse alterado, mas dois anos depois numa nova visita ao museu lá estava igualzinho, como as estátuas que ornamentavam o pátio interior.
Mudando de agulha em linguagem de ferroviário, a continuada atribuição de prémios por tudo e por nada fez-me lembrar uma experiencia pessoal, que já há muito estava para aqui contar, esperando apenas o momento em que houvesse um hiato na atribuição dos prémios, de forma evitarem-se conotações despropositadas, já que nem sempre acontece o que vem a seguir.
Tenho uma pequena unidade hoteleira já há bastantes anos, e quando se aprestava para realizar a FITUR (Feira de Turismo de Madrid) recebia uma carta, cheia de dourados e letra em estilo gótico, papel couché, parabenizando-me por ter sido premiado com um troféu de “Qualidade, inovação e desenvolvimento turístico ”. Naturalmente honrado com tamanha distinção, não conseguindo esconder a perplexidade, continuei a ler a carta e dizia que eu teria que estar num dia aprazado num hotel em Madrid, perto da Praça de Espanha, para um jantar com a presença de uma série de “individualidades” e receber o prémio, uma estatueta com uma ave de rapina a encimá-la, parecia-me uma águia. Até aqui estava no limbo (entretanto fechado pela ICAR) mas tudo se desvaneceu quando me pediam cerca de oitocentos dólares. Acabou-se o meu sonho de ser premiado, e a carta foi direitinha para o lixo. Nos dois anos seguintes recebi a mesma “honorável” distinção, e como começava a ficar farto de ser “tão premiado” resolvi telefonar e fazer-me de idiota quase perfeito, dizendo a uma menina que me atendeu que lhes dava o prémio, o tal da águia, o certificado, o convite para o jantar e eles davam-me os oitocentos dólares. A menina esfalfou-se para me explicar o que eu já sabia, que quem tinha que pagar era eu, e resolveu passar a chamada a um superior que devia estar ao lado dela que quase acreditou que eu não estava a perceber nada do assunto. Com esta iniciativa de alguma estultice à mistura vi-me livre desta “off-shore” de prémios que nunca mais me distinguiu.
Vamos agora ao mais divertido! Passados uns tempos pego num jornal e vejo três insignes dirigentes de um organismo a responderem aos jornalistas sobre a festa de atribuição de um prémio “Qualidade, Inovação e desenvolvimento turístico”, sendo entregue em Madrid no mesmo hotel, a eterna águia a encimar o troféu, o diploma e uma maralha de gente numa foto colectiva. Fui ao baú ver se ainda tinha uma das muitas cartas que recebi sobre o evento, e oh surpresa das surpresas, aquele organismo iscou o prémio. Na altura calei-me porque talvez pudesse ser eu a fazer figura de parvo, mas conto hoje porque se o fizer já pouco importa, a mim ou aos galardoados.
Não tem nada a ver com prémios, mas aconselho a ler o recentemente editado “Puta que os Pariu” de João Pedro George editado pela Tinta-da-china, que é uma magnífica biografia de Luis Pacheco, antigo cronista da “Notícia”, uma das personagens mais fascinantes da literatura e da cultura em língua portuguesa, um escritor à margem e sem margem e que já aqui trouxe várias vezes e utilizei citações.
Fernando Pereira
28/11/2011

25 de novembro de 2011

Selo de Povoamento / Ágora / Novo Jornal 201/ Luanda 25/11/2011






Veio-me parar à mão um livro do Sandro Bettencourt, “ As mais belas cidades de Angola”, editado pela Zebra, e com prefácio do Julio Magalhães.
Profusamente ilustrado, é um verdadeiro livro que deveria ser patrocinado pelo “Omo”, já que de facto era difícil encontrar um conjunto tão grande de fotos que “Lavassem mais branco”!
As fotos são interessantes, algumas pouco enquadradas com as paginas, o que indicia um descuidado trabalho do gráfico, os textos são na genericamente muito fracos, e realmente o livro aproveita-se como a prova cabal de que o racismo em Angola existia, nalguns casos com foros de quase escândalo, e se as fotos querem perpetuar a “beleza e a mansidão” da sociedade colonial mais não conseguem mostrar uma hipocrisia.
Não sugiro que adquiram o livro, antes pelo contrário, mas se puderem dar-lhe uma pequena vista de olhos acabam por ver que não estou a dizer estultices.
Associado a isto veio-me à memória o célebre “selo de povoamento”, criado ao abrigo do diploma legislativo nº 3230 de 21/3/1962, um imposto “para o progresso das populações de Angola”.
Havia vários a preços diferentes, mas o mais emblemático era mesmo um rectangular com um fundo azul berrante onde sobressaiam três caras jovens de cor diferentes, que pretendiam simbolizar a multirracialidade da então “província de um vasto império”.
Esse selo tinha que ser comprado e colocado em todo e qualquer acto ou requerimento. Penso que em determinada altura nas cartas para o interior de Angola também era obrigado a partilhar o canto superior esquerdo do envelope com as estampilhas do correio. Nos anos setenta ainda se fez na Angola independente um selo com as mesmas características para a “Reconstrução Nacional”.
Numa tertúlia de amigos, dos que gostam de fazer inventários para tentarem comparar o presente e o passado colonial, “obriguei-os” a recordarem-se de um documento que todos nós tínhamos que possuir a partir dos doze anos, que era o “Recenseamento Policial”, medida que terá aparecido no fim dos anos 60. Era um “cartão de residência” com fotografia e que era obrigatório trazer, tendo o meu sido emitido na 8ª esquadra, perto do Largo da Maianga.
A conversa é como a ginguba e a certa altura lembrámo-nos do aviltante cartão de trabalho que todo o serviçal negro tinha que ter para circular, com a obrigatória assinatura do seu patrão; Muitas vezes, porque o patrão não estava, ou por qualquer outro motivo, o cartão não levava a assinatura e o polícia, ou umas esquisitas brigadas mistas de polícia e OPVDCA (Organização Provincial de Voluntários e Defesa Civil de Angola) uma Legião portuguesa em formato colonial, cangavam o cidadão. Esperavam-no eventualmente umas palmatoadas e uma cela imunda onde tinha que esperar, que o patrão se dignasse ter paciência para o ir buscar, o que permitia todo um conjunto de arbitrariedades, como por exemplo não o fazer para não lhe pagar o salário de miséria, argumentando que “tinha fugido”, o que dava logo direito a prisão a um cidadão, com contornos no mínimo kafkianos.
Outra das coisas que nunca percebi em Luanda fora os postos de controlo à saída da cidade, os únicos sítios onde se podia passar, já que toda ela esteve de 1961 a 1974 cercada de arame farpado, postos de vigilância com holofotes e patrulhas regulares a pé ou de viatura ao longo do perímetro.
Despercebi sempre se aquela cintura era para evitar que saísse ou que entrasse alguém na cidade. Inicialmente os postos de controle estavam numas casinhotas tipo “casa de cantoneiro”, em frente à prisão na saída para o Cacuaco, ao lado da fábrica da Cuca,a seguir ao cemitério na estrada de Catete, no fundo do ex-Bairro Popular, no que depois foi o Golfe e na Samba, junto a uma imponente Mafumeira no fundo da descida do Prenda, perto do morro da Luz.
Com o tempo e com o crescimento da cidade mudaram os postos e o do Cacuaco passou para perto da ponte do caminho-de-ferro do que poderia ter sido a Linha do Congo, da Cuca para perto da moagem do Quicolo, do Cemitério para o cruzamento da estrada da FILDA, do Bairro Popular para o extremo do Golfe e da Samba para o Futungo. Alargou-se o perímetro do arame farpado, fizeram-se uns postos maiores com um primeiro andar tipo fortim, e não havia ninguém que quisesse entrar ou sair que não fosse inspeccionado e averbada a matrícula e o nome do condutor da viatura.
Uma “cidade em paz”, rigorosamente vigiada dia e noite.
Fernando Pereira
22/11/2011

18 de novembro de 2011

Silopsismo não/ Ágora Novo Jornal nº200/ Luanda / 18-11-2011





O Novo Jornal, e aqui o meu espaço partilham convosco duzentas semanas, o que se pode inferir que ainda vamos tendo quem nos ature, presumivelmente nos leia e que a maior parte das vezes talvez goste do que escrevemos.
Neste exercício de quase puro narcisismo, lembrei-me que ao escrever a Ágora nº200, lembrei-me do Almirante Tomas, ultimo presidente da Republica de Portugal do tempo colonial que teve uma tirada que ainda é hoje recordada no anedotário político português, passados quase quarenta anos da sua deposição: «Comemora-se em todo o país uma promulgação do despacho número Cem da Marinha Mercante Portuguesa, a que foi dado esse número não por acaso mas porque ele vem na sequência de outros noventa e nove anteriores promulgados.».
Porque falei do Tomas, não queria deixar de recordar uma frase que a “censura” em Portugal e nas colónias fez a um discurso seu, e que a Seara Nova, revista oposicionista, deu à estampa e que dizia isto: «Pedi desculpa ao Sr .Eng.º Machado Vaz por fazer essa rectificação. Mas não havia razão para o fazer porque, na realidade, o Sr. Eng.º Machado Vaz referiu-se à altura do início do funcionamento dessa barragem e eu referi-me, afinal, à data da inauguração oficial. Ambas as datas estavam certas. E eu peço, agora, desculpa de ter pedido desculpa da outra vez ao Sr. Eng.º Machado Vaz.».
Não deixa de ser bizarra a “Censura” proibir a publicação de partes do discurso do “Venerando Chefe de Estado de Portugal do Minho a Timor”.
Por falar em censura, li com muito agrado um livro recentemente editado pela Almedina de José Filipe Pinto, “Segredos do Império da Ilusitania- A censura na metrópole e em Angola”, que é um excelente trabalho de um investigador português que faz um estudo exaustivo da Censura em Angola, principalmente depois da criação do GNP (Gabinete dos Negócios Políticos) órgão criado em 1959 no Ministério do Ultramar, para controlar toda a informação nas colónias, e que em cada uma delas o governador era o responsável mor.
Mais cedo que tarde hei-de voltar ao livro, porque de facto quase nenhum jornalista em Angola escapou ao crivo da censura, salvo algumas excepções que apenas legitimaram a sua má catadura política e ideológica. Releva-se aqui que o major Kokh Fritz, funcionou para os governadores-gerais como uma eminência parda por onde tudo tinha que passar. Um verdadeiro Torquemada, ou um Gobbels de pacotilha, de todo o universo que cheirasse a letras em Angola, desde a imprensa, à proibição de livros ou a actividades culturais diversificadas.
Li o livro de Dulce Maria Cardoso, “O Retorno”, editado pela “Tinta-da-china”, e sinceramente mais do mesmo de um tema, onde ainda não vi uma abordagem coerente, ideologicamente distante e sem a confusão de afectos de quem o viveu e o transporta para a escrita, e daí para o prelo. Um romance feito de lugares comuns de alguém que tem pelo menos alguma honestidade intelectual de assumir que é o reflexo das suas vivencias, despidas de conceitos ideológicos ou discussões sobre o que foi o colonialismo português.
O livro é escrito de forma escorreita e fiquei com a ideia que Dulce Cardoso tem o que vulgarmente se diz “boa imprensa”, já que acaba por se multiplicar em aparições por tudo o que é rádio, tv e jornais, onde deixa transparecer ser uma pessoa simpática e interessante. Há contudo um detalhe determinante: Nem Portugal antes do 25 de Abril de 1974 era como ela descreve, nem Angola era o paraíso que deixou, mas a visão dos 11 anos não foi mesmo a sua aos 46, quando resolveu escrever “O Retorno”.
Costumo dizer que tenho no fundo da minha biblioteca muita tralha deste tipo para a “troca”.
Porque efectivamente a ditadura e o colonialismo aconteceram mesmo, e não há romance que o branqueie, não posso deixar esquecer que fez 75 anos que entrou o primeiro conjunto de presos no Tarrafal em Cabo Verde. Em 29 de Outubro de 1936 entraram os primeiros de muitos que lutaram pela liberdade nos seus Países. Porque temos que habituar as gerações vindouras a serem reconhecidas, acho que aos que por lá passaram lhes devemos mais que um quase circunstancial obrigado.
O Novo Jornal nestas duzentas edições já teve quatro governadores provinciais de Luanda nomeados, e por este andar suplantamos o Granma que já teve onze presidentes dos EUA desde a sua fundação.

Fernando Pereira
15/11/2011

11 de novembro de 2011

Penso, Logo Resisto /Ágora / Novo Jornal nº199 / Luanda 11-11-2011






No mais, Musa, no mais, que a lira tenho
destemperada e a voz enrouquecida,
e não do canto, mas de ver que venho
cantar a gente surda e endurecida.
O favor com que mais se acende o engenho
não no dá a pátria, não, que está metida
no gosto da cobiça e na rudeza
duma austera, apagada e vil tristeza

Luis de Camões (Lusíadas, estrofe 145, Canto X)

Tinha dezanove anos quando assisti a um dos melhores dias da minha vida: O 11 de Novembro de 1975. Tenho cinquenta e cinco e hoje assisto a um dos melhores dias da minha vida, o 11 de Novembro de 2011.
Todos os 11 de Novembro são dias de grande festa e enorme exaltação, nem tanto de patriotismo bacoco, mas acima de tudo de enorme partilha de responsabilidade de ter visto nascer este País, vê-lo começar a andar titubeantemente orgulhoso, passar uma infância mal vivida, uma puberdade algo desorientada, uma juventude de busca identitária e uma idade adulta envolta numa afirmação que só tardiamente encontrou.
A fortaleza de S. Miguel transformou-se há uns anos numa sucata de estátuas. Inicialmente colocaram por lá as estátuas que os colonos polvilharam pela cidade de Luanda, e tipo Lego,algumas partes das que desconseguiram trazer inteiras como por exemplo a de Paulo Dias de Novais, fundador da cidade em 1576, que está em 3DS, pois foi transportada em três fases do local onde estava, em frente à Igreja do Cabo. A estátua de Camões, com um estilo de certa forma travestido, devia ser devolvida à cidade e colocada num qualquer lugar, pois é um poeta importante numa lusofonia onde estamos integrados, mas que alguns não gostem muito que se diga em voz alta. Salvador Correia, Vasco da Gama, Diogo Cão e Afonso Henriques provavelmente vão para um museu porque de facto pouco tem a ver com a nova realidade do País. No caso do Afonso Henriques não deixa de ser paradoxal ter sido uma estátua erigida na cidade, iniciativa de uma subscrição pública promovida por uma direcção eleita da Liga Nacional Africana. Com a certeza que me estou a repetir, acho que a estátua de Pedro Alexandrino da Cunha devia voltar para a peanha em frente aos CTT, já que foi encomendada pelas forças vivas de Luanda em homenagem a um homem que lançou as bases para regulamentar várias actividades da cidade em meados do século XIX, para além de ter lançado melhoramentos que foram indispensáveis para a sua vivibilidade. Para completar colocaram recentemente a estátua da Rainha Ginga, que pelo menos livrou-se do pedestal desarmonioso onde a puseram no largo sobranceiro ao mais emblemático edifício de Angola, hoje desaparecido, o mercado do Kinaxixe, projecto de Vieira da Costa.
O engraçado da colocação aleatória das estátuas no estatuódromo, foi o Afonso Henriques ficar ao lado da rainha Ginga e olha-a de certa forma embasbacado, enquanto o Salvador Correia fá-lo de forma desconfiada. O Diogo Cão e o outro que o segura, que nunca soube quem era, continuam de costas para o cenário situação a que já estão habituados pois estão assim há trinta e cinco, numa posição que dá ideia que pouco se importam com o que quer que seja, e com o muito que se vai passando na cidade.
Este 11 de Novembro é a cada ano que passa uma data que nos fez sentir úteis, porque de certa forma andámos com este País ao colo, e sentimo-nos uma parte dele, e por isso tantas vezes nos chateamos e discutimos tanto por sua causa, pois gostamo-lo muito.
Se algumas vezes parece que estamos próximos da estrofe dos Lusíadas que abre o texto, logo sobrevêm a outra alegria, a de partilharmos os “11 poemas em Novembro”, do Manuel Rui Monteiro, indiscutivelmente o poeta da nossa “dipanda”!
Fernando Pereira
7/11/2011

9 de novembro de 2011

Chefe,Precisamos de mentiras novas/ O Interior / Guarda 10-11-2011




“Quando a nossa festa s'estragou
e o mês de Novembro se vingou
eu olhei p'ra ti
e então entendi
foi um sonho lindo que acabou
houve aqui alguém que se enganou”
José Mário Branco (Eu vim de longe)

Recordo com saudade um PREC nunca esquecido, e que os tempos seguintes foram transformando numa cabala de proporções enormes, que ainda hoje vai prevalecendo como verdade em muita gente que tampouco viveu esse período entusiasmante da sociedade portuguesa.
O 25 de Novembro de 1975 marca a derrota clara da esquerda militar, empurrada que foi para uma aventura golpista sem objectivos claros, mas não foi a derrota do 25 de Abril de 1974 como muitos então saudosos do salazarismo assim o desejavam.
O PREC (Processo Revolucionário Em Curso) emerge no 11 de Março de 1975, data em que uma tentativa de golpe spinolista é travada, e inicia-se um período de nacionalizações de múltiplos sectores da sociedade portuguesa, que curiosamente hoje a maioria das pessoas acha que deveriam permanecer na mão do estado, e a sua privatização é o definitivo entregar aos sucessores do xerife de Nothingham, na versão caseira dos montes Hermínios.
Os governos neo-liberais que governam o País nas duas últimas décadas dedicaram-se a desbaratar esse conjunto de empresas que foram nacionalizadas em 1975, como forma de evitar que as “sete famílias” que dominavam economicamente Portugal atrofiassem e boicotam-se as “conquistas de Abril”, a caírem infelizmente no baú das recordações, e nas palavras de ordem das cada vez maiores manifestações de rua.
Hoje quando vou ouvindo algumas opiniões particularmente dos “senidores” da democracia como é o caso de Cavaco, Soares ou Almeida Santos, e quejandos, fico com a sensação que são alienígenas, pois acho que nunca estão ou estiveram em lugares de responsabilidade e que o Varas, Loureiros, Oliveiras, Coelhos, Melancias e outros seres que povoam o mundo vegetal e animal, nunca foram seus companheiros de estragos.
Quando recordo Vasco Gonçalves e um conjunto de militares de Abril voluntariosos na vontade de contribuir para a elevação económica social e cultural dos cidadãos do País, e vejo quanto foram aviltados na sua dignidade, sem que alguém pudesse dizer que esta gente se aproveitou do lugar para benefício pessoal, de familiares próximos ou comanditas que regem a partidocracia reinante desde as estruturas autárquicas ao poder central passando por todo um conjunto sinuoso de patamares, alguns deles fechados a sete chaves e inacessível ao obscuro objecto de certos desejos.
Não sei bem porquê mas veio-me à lembradura o tipo que faz um biscate numa casa e enquanto vai fazendo o trabalho, com uma loquacidade espantosa vai desferindo em todos os sentidos, “contra os aldrabões que nos governam”, “faz falta aqui um Salazar”, “ Querem ir para lá para se abotoarem”, “cambada de vigaristas” e por aí fora. Acabado o trabalho pedes-lhe a “venda a dinheiro” e ele vocifera como lhe estivesses a fazer o maior insulto: “Você tem que me pagar o IVA, mas se eu soubesse que queria factura levava-lhe mais, porque este ano já tive que passar umas poucas e levo com o aumento de imposto no fim do ano, para dar de comer a estes vígaros”.
Talvez os culpados fossem mesmo os do 25 de Abril de 1974, porque afinal depois deles entregarem isto aos politiqueiros o País vai de vento em popa!

Fernando Pereira 7/11/2011

4 de novembro de 2011

O 11 está a caminho / Ágora/ Novo Jornal nº198 / Luanda 4-11-2011




“Somos Independentes, Seremos Socialistas”, era uma frase muito em voga no dealbar da independência há trinta e seis anos. Somos independentes, mas não seremos socialistas, pelo andar da carruagem.


A história que vou contar passou-se comigo recentemente num bar numa cidade portuguesa, e reflecte um pouco a selectividade com que o desfiar da memória está cheia de perversidade junto de gente que não viveu o antes de Novembro de 1975. O bar estava “composto” e um tipo preto com a bandeira de Angola ao peito e ia provocando as pessoas sem que ninguém lhe dissesse o que quer que fosse, porque vem sempre da pior forma o estigma do racismo de sinal contrário: Não dizer nada porque “é de cor” e é chato! Eu a certa altura levantei-me e disse-lhe: “ Acaba mas é com a palhaçada, que ainda por cima tens aí uma bandeira que merece respeito, e que custou o sacrifício de muita gente”; o tipo olhou-me e diz-me: “Oh Kota, e que tens tu a ver com isso, também te sacrificaste?” Eu, tomando em parte dores de parto alheio disse-lhe que “por acaso até me sacrifiquei para te dar um País”, e ele acto contínuo respondeu-me: “ Boa merda fizeste”!

Confesso que esta conversa deixou-me siderado, porque era um rapaz com cerca de trinta anos, e tudo o que podia saber para comparar só porque alguém lhe contou, de forma enviesada.

Pouco importa para o caso, porque digo sem qualquer rebuço que o angolano vive indiscutivelmente melhor hoje que vivia no tempo colonial. Alguns dos que me lêem vão dizer que ensandeci definitivamente tal a forma peremptória como reafirmo que a Angola de hoje é para o angolano um espaço de vida e de liberdade bem melhor que no “tempo do colono”.

Hão-de vir os muitos que se foram esquecendo que já no período final do tempo colonial em Luanda havia um documento chamado cartão de residência, passado nas esquadras da polícia dos bairros e obrigatório que qualquer pessoa o trouxesse consigo, assim como um documento de trabalho que era aviltante para o cidadão, que no caso de não o possuir ia bater com os costados na cadeia, até que o patrão o fosse libertar, ou dar-lhe a carta de alforria.

Claro que não vou recuar aos tempos da vigência do Acto Colonial, nem a tudo que foi acabando no fim dos anos cinquenta por imposições de revoltas, que tiveram visibilidade internacional e obrigaram as autoridades portuguesas a fazer concessões, muitas das quais apenas no campo da retórica e da cosmética.

Não vou falar do tempo colonial, porque na realidade já passou, e ainda bem.

Os angolanos depois de tantos anos a andarem à “porra e à massa”uns contra os outros acabaram por começar a construir uma nação, num quadro de diversidade, num estado com instituições e acima de tudo a encararem o futuro com redobrada confiança.

Não me estou a violentar por estar a escrever este quase panegírico à Republica de Angola, porque o que vamos assistindo um pouco por todo o País é um trabalho de recuperação de infra-estruturas excelente, a dotação de meios indispensáveis à melhoria das condições sociais da população, nomeadamente nos campos da saúde e da educação. Já aqui tenho discordado da forma como muitas vezes tem sido feitas determinadas estruturas, e não concordo com as decisões que por vezes são tomadas em relação a algumas questões, mas não se pode deixar de reconhecer que tem havido empenho para que muito tenha emergido neste início de século no País.

Pois, mas a corrupção, o enriquecimento desmesurado de gente ligada a determinados círculos, a opacidade das decisões em estruturas governativas e empresas estatais, a pouca eficiência da justiça ou a falta de liberdade de imprensa, também merecem profunda reflexão e fazem parte da evolução da democracia, da integração de jovens quadros licenciados em Angola ou no exterior e uma cada vez maior participação em movimentos cívicos de defesa de valores que já nada tem a ver com o longínquo 11 de Novembro de 1975.

A maior parte da população de Angola já não viveu o passado colonial, e se mostra alguma nostalgia é porque quem conta teve que fazer um exercício selectivo de memória para objectivamente transformar esse período numa realidade edénica, algo que nunca foi.

Mas também é com essa realidade de gente que em 11 de Novembro de 1975 não tinha nascido ou estaria na infância ou adolescência, que se exige um futuro diferente para o País, e também urge que acabem alguns estigmas que pontualmente são utilizados de forma oportunista.

Gosto muito da Angola independente, e acima de tudo entusiasma-me ver o muito que se faz e que tem pouca visibilidade no exterior.

É indispensável que a afirmação ideológica regresse ao País de forma a libertar as novas gerações do fantasma de um passado que pouco tinha a relevar.



Fernando Pereira

31/10/2011

28 de outubro de 2011

A subjectividade é a verdade?/ Ágora/ Novo Jornal nº 197/ Luanda/ 28-10-2011



O El Pais iniciou um conjunto de reportagens sobre um dos aspectos mais negros do período franquista: o roubo de crianças. É um trabalho notável em que mais uma vez o diário espanhol mostra por que é um dos grandes jornais do mundo.
É um dos poucos jornais que leio com redobrada atenção, pelo rigor da informação, a isenção dos seus artigos de opinião e a credibilidade que o estatuto do jornal transmite desde a sua fundação em quatro de Maio de 1976, logo a seguir ao desaparecimento do ditador Francisco Franco, marcando o início da abertura política que levou á democracia constitucional espanhola.
Este trabalho sobre as crianças roubadas às famílias dos republicanos, que entretanto foram fuzilados, é uma questão candente na Espanha actual, com traumatismos enormes no seio da sociedade. Há familiares do primeiro-ministro Zapatero nestas circunstâncias, já que o seu avô foi vítima dos algozes do franquismo.
Conviver com a memória tem sido difícil para os familiares nos mais de setenta anos do fim de uma das guerras mais sangrentas que a história viveu, e quando assistimos ao derrube das emblemáticas estátuas do franquismo, vemos que foi necessária coragem e acima de tudo maturidade cívica e democrática para que tudo esteja a ser feito sem convulsões de maior numa Espanha de excessos e profundamente católica. Tive o privilégio de ter assistido em Santander, ainda que por casualidade, o arriar da última estátua equestre de Franco em toda a Espanha. Todos os que assistimos a esse evento numa pequena praça não muito longe da catedral fizemo-lo quase em silêncio, num qualquer exercício catártico em memória dos que foram barbaramente assassinados pela “falange”.
O El País é uma referência obrigatória para todos os jornais e jornalistas, pois sempre conseguiu a objectividade e a independência no tratamento da informação, escolhe os seus colaboradores numa base rigorosa de qualidade e nunca foi bandeira de causas que o pudessem transformar num panfleto, onde muita imprensa cai quase sem se dar conta.
Fiquei particularmente desapontado com a atribuição à escritora Maria Eugénia Neto o Prémio Nacional de Cultura e Arte, edição 2011, na categoria de Literatura, não conseguindo encontrar uma justificação qualitativa para galardoar a sua obra, com tão honrosa distinção.
Naturalmente que a subjectividade da minha opinião tem o valor que lhe quiserem dar, mas de facto continuo a pensar que um prémio de literatura devia ser outorgado a um escritor que tivesse um percurso de obra mais multifacetado como por exemplo Arnaldo Santos ou Carlos Ferreira (Cassé), entre alguns outros que há muito emergirem com qualidade nas letras angolanas.
Talvez não tenha nada a ver com isto, mas recordei-me de uma entrevista de António Jacinto do Amaral Martins (1924-1991) a Michel Laban (1936-2008) em 1988: “Nos anos 50, quando começámos o tal movimento dos Novos Intelectuais, de romper com a tradição – já não vamos dizer portuguesa, mas a tradição da literatura que se fazia, foi fácil, muito fácil para mim, enveredar por aquele caminho: eram realidades que eu conhecia muito bem… Eu conheci a vida dos contratados, conhecia a situação dos camponeses no interior, de modos que não houve necessidade nem de fazer pesquisa, nem de fantasiar: era a pura realidade que conhecia”.
Como contista usou o pseudónimo de Orlando Távora e foi, também, um nome destacado da geração “Mensagem”. Ainda o poeta, a Michel Laban:
(…) já eram mais posições políticas do que verdadeiramente literárias. Até porque, na altura, eu e outros nos considerávamos escritores muito medíocres, poetas medíocres, mesmo principiantes… O que era preciso era dar uma mensagem política. Os meios? O que era acessível era a poesia: então, pois, seria a poesia. Se houvesse outra possibilidade seria outra… (…).
Às vezes temos que nos lembrar que não podemos olhar só para o nosso umbigo, ou colocar lá um diamante para que nós e tudo que nos rodeia olhemos para o mesmo sítio. Quando não partilhamos as críticas de José Agualusa a Agostinho Neto, por muitas razões, pelas que apontou António Jacinto, temos que ser mais assertivos nas nossas opções para evitarmos que “Na floresta outros bichos falem de cor”!
“Sincere words are not eleegant; elegant words are not sincere” Lao Tse.



Fernando Pereira
23/10/2011

21 de outubro de 2011

ELECTOCARDIOTRAMA / Ágora/ Novo Jornal nº196/ Luanda 21-10-2011





Umas vezes casamo-nos, outras acasomo-nos e as circunstâncias mudam-nos sempre por mais rigorosos e certinhos que possamos eventualmente ser.
Por mero acaso, um destes dias estava a olhar para a estante, sem pensar em nada e entre um amontoado de livros que estavam a merecer urgentemente um espanador fui encontrar um dos livros que mais me entusiasmaram. “Os nus e os mortos” , do norte americano Norman Mailler é um livro na guerra, e também de guerra. Este livro é muito intenso, pesado, e por vezes cruel, descreve as relações humanas levadas ao seu máximo, a resistência física e moral de cada pessoa, as suas virtudes e os seus podres, mas faz-nos pensar também naquilo que realmente somos, na hipocrisia que está dentro de nós sem sabermos e no que nos poderemos tornar em situações de extremos como são as que acontecem no livro. Espero que ao reler este livro daqui por vinte e cinco anos, ainda consiga lembrar-me das emoções contraditórias que senti nesta revisitação a Mailler.
Por falar em Mailler, nunca deixem de ler o “Fantasma de Harlot”, e aí perceber-se-á que nunca andámos sozinhos em lado nenhum, “os olhos e ouvidos do rei” continuaram sempre organizados, conspiram e respiram nas costas de quem ouse, ou de quem eles ousem pensar, que há alguém que quer usurpar o poder, a quem se julga no direito absoluto de o possuir e controlar.
Depois deste início em volta de Norman Mailler (1923-2007), vou-vos falar de um verdadeiro cão de guerra, Bob Denard (1929-2007)
Há muita tralha em forma de livro do “coronel” Bob Denard, presença constante em muitos cenários de golpes de estado, rebeliões, tentativas de ocupação de territórios e lutas contra qualquer movimento de tendência socialista em África. De sargento lateiro na Indochina francesa, este transformado em “coronel” Bob Denard, o ícone do mercenário durante a segunda metade do século XX.
Era catraio e lembro-me de o ver sentado na esplanada do Arcádia ao pé do BNA, com a cara entrapada por causa de um estilhaço que o obrigou a recuar para Luanda em 1965/66, depois de ter instalado no Zaire uma rebelião de catangueses contra Mobutu, a quem ajudou a chegar ao poder. Com o belga Jean Schramme, tomam Lumumbashi e Bukavu, na fronteira com o Ruanda, mas entretanto há um corte entre os dois grupos e quando Denard vem a Kasai, na ponte do rio Luau um oficial português recebe-o com grande aparato militar, tenta estabelecer contactos de forma a permitir que os reabastecimentos continuem, como lhe foi prometido por Salazar, presume-se através de Jorge Jardim. O que aconteceu e que ficou conhecido pela “Invasão das Bicicletas”, foi uma fracassada operação militar conjunta da PIDE e serviços secretos franceses e sul-africanos, e que na realidade o único material que conseguiu levantar de Saurimo fora alguns mantimentos para apoiar tropas cercadas, algumas armas e muitas bicicletas, numa operação que ao tempo custou 3.500 contos. Schrammer e 42 mercenários, alguns gendarmes katangueses acabaram por sair de Bukavu e acoitaram-se no Rwanda sob a protecção da Cruz Vermelha Internacional em 1967.
Bob Dénard saiu de Angola para a então Rodésia, tendo com os bons auspícios e protecção do governo colonial de Salazar organizado o apoio ao regime secessionista do Biafra na luta contra o poder da Nigéria. A passagem por S. Tomé ainda é perpetuada no aeroporto pelas carcaças de aviões abandonados e hangares destruídos.
O seu périplo de golpes sucediam-se, entre 1969-1971 ao serviço de Omar Bongo na fronteira com o Congo- Brazaville,em 1974 no Curdistão contra os Iraquianos, em 1976 na Mauritania e ei-lo nesse mesmo ano no Rundu na Namíbia ao serviço da UNITA, na luta contra as FAPLA e o efectivo cubano. Com o apoio da CIA e dos Serviços Secretos franceses, Dénard recruta 35 “conselheiros técnicos”. 10 vão aterrar em Cabinda e dar apoio à FLEC, 25 engrossam as forças da UNITA no sul de Angola. Não se sabe exactamente qual foi o papel que teve, já que o sucesso então pareceu ser muito limitado. Em 1977 tenta no Benim um golpe de estado para derrubar o presidente Ahmed Kérékou, mas foi uma operação tão desastrada que no terreno ficam os documentos que comprovavam o que há muito se sabia: O envolvimento eterno dos Serviços Secretos franceses com Bob Denard. Em 1981 apoia a organização da guarda pessoal do golpista Hissene Habré no Tchad e de 1979 a 1989 continua a fazer golpes e contra-golpes nas Comores, repetindo o de 1975. Em 1995 já com 66 anos Denard faz o ultimo golpe nas Comores, mas os franceses já estavam cansados dele e “os boinas verdes” gauleses obrigam-no a negociar os termos do seu regresso a França, onde acaba por viver os seus últimos tempos, e apesar de julgado e condenado por crimes vários morre em Paris depois de um longo período de sofrimento com a doença de Alzheimer.
De 1948 na Indochina às Comores em 1995 Bob Denard foi um facínora, uma lenda, um soldado, um combatente, um oportunista, um tipo que só via dinheiro, um homem de convicções de direita, mas na realidade é que terá sido o mercenário mais famoso dos tempos modernos.
Fernando Pereira
15/10/2011

14 de outubro de 2011

LÁGRIMAS EM COMISSÃO /Ágora / Novo jornal nº195/ Luanda 14-10-2011





“LIBERDADE EM SEGURANÇA
Os réus entraram. Três. Fardados de azul. De escudo a tiracolo e
viseira erguida.
O juiz pôs a touca com um pequeno jeito de mão direita. Afirmou
- Levante-se o queixoso.
O queixoso estava deitado. Não se levantou.
- Tem alguma coisa a acrescentar quanto à sua arguição contra os
réus? - Insistiu o juiz, dando outro pequeno jeito na touca.
O queixoso nada disse. Continuava deitado.
- Dadas as circunstâncias atenuantes e outras, declaro os três réus
inocentes. O queixoso demonstra à sociedade ser provocador. E
silencioso. Revolucionário alterante de ordem estabelecida.
Destabilizador da liberdade em segurança. Que os réus, absolvidos, se
retirem. Em segurança e liberdade.
Os três réus perfilaram-se. Fizeram a continência com a mão direita.
E saíram. Pela porta da direita.
Saíram os meirinhos. Pela porta do fundo.
E também o juiz. Já sem touca. Pela porta da frente.
Saíram todos.
O queixoso não. Estava deitado, como já tive oportunidade de
informar. Com cinco tiros no baixo-ventre. E morto.”
Mário Henrique Leiria
Já não é a primeira vez que me socorro do MHL para ilustrar qualquer coisa que às vezes anda no ar, mas que não temos as palavras escorreitas para a definir com precisão. Fica mais uma deliciosa história do “Gin Tónic” para lembrarmos o quotidiano.
Uma das efemérides da semana transacta foi a passagem do quadragésimo quarto aniversário do assassinato de Che Guevara. Como bem dizia uma amiga: “Não o mataram, semearam-no”!
Li o último livro do António Lobo Antunes, “Comissão das Lágrimas”, e digo apenas: foi um esforço ciclópico conseguir acabá-lo. Só o tema sobre as vicissitudes de uma ex-guerrilheira do MPLA envolvida no 27 de Maio de 1977, fez com que não o tivesse largado quase no primeiro terço.
A fase actual do ALA enquanto romancista e “opinador” gera justificadas reservas, muito longe da aura do fim dos anos setenta do século passado, em que era uma das minhas referências primeiras no conjunto dos escritores de língua portuguesa, mas este livro era portador de algumas expectativas que podiam revelar-se interessantes, que só acabaram por justificar o que há algum tempo “dispenso” da sua obra.
Os três primeiros livros que publicou numa pequenina editora, a Vega, surgida duma “dissidência” da Assírio e Alvim, a partir de 1979, “Memória de Elefante”, “Os Cus de Judas” e “Explicação dos Pássaros”, colocaram-no num pedestal tão elevado que nesta duradoura fase tem-no mantido perigosamente periclitante. Muitos dos seus livros e crónicas de outros tempos estão sublinhadas e são referências importantes numa forma idiossincrática de ver o mundo e a vida como me agradava. Os seus últimos trabalhos são penosos, e este livro é capaz de ter sido o ultimo que leio para evitar desiludir-me de forma irreparável o que não desejaria que acontecesse.
A meio dos anos sessenta a “Notícia”, uma revista referente no bom jornalismo que se fazia em Portugal e colónias, tinha uma colaboradora de grande qualidade, Natália Correia. Nessa revista, em que muitos dos seus exemplares são disputadíssimos em leilões de publicações, muita gente comprava-a pela qualidade dos trabalhos dos seus colaboradores. Dificilmente nas letras portuguesas houve alguma publicação que tenha tido colaboradores tão bons como um Pedro Tamen, Herberto Helder, Luis Pacheco, Mário Cesariny, Ernesto Lara Filho, Natália Correia e tantos outros, que no tempo do Charrula de Azevedo e do Manoel Vinhas transformaram uma revistinha de uma provinciana Luanda num espaço de cultura.
Já que se fala de cultura e escritores, leiam o último do Pepetela, “ A sul, o sombreiro”, porque é realmente cativante, na linguagem “gingada” que o autor já nos habituou, mesmo para falar de um período da história de Angola e de um Cerveira Pereira, que provavelmente o melhor que tinha e quiçá o mais confiável era o ultimo apelido.
Jorge de Sena observou um dia sobre os portugueses, que se adapta na perfeição aos angolanos: "O nosso mal, entre nós, não é sabermos pouco; é estarmos todos convencidos de que sabemos muito. Não é sermos pouco inteligentes; é andarmos convencidos que o somos muito".

Fernando Pereira
9/10/2011

13 de outubro de 2011

INSINSERAMENTE / O INTERIOR / 13-10-2011




“Onde o Santo punha o pé
nasciam rosas
e o povo lamentava
que não fizesse o mesmo com batatas"
(Joaquim Namorado)
Fui companheiro de café, partilhámos cumplicidades políticas, foi meu explicador de matemática, com pouco sucesso diga-se de passagem, deu-me a conhecer José Mário Branco e Luis Cília, quando os que mandavam não queriam que as pessoas os conhecessem, foi um militante de causas na defesa da liberdade e da sociedade solidária, figura de relevo do neo-realismo, portador de palavras que eram de sonho, afecto e luta simultaneamente. Joaquim Namorado, um homem que só no ocaso da vida teve direito ao lugar de catedrático que o “Estado Novo” do “velho” usurpou de forma soez, obrigando-o a recorrer durante décadas ao expediente das explicações, intervalando com umas estadias pelos calabouços da PIDE.
Alentejano de gema, resistiu sem vacilar e sem alterar o seu compromisso político que pela relevância do seu percurso cultural na Vértice, e em associações de carácter cultural na Figueira da Foz, promoveu o seu município nos anos oitenta um concurso literário com o seu nome, atribuindo um prémio pecuniário irrisório perante a dimensão do homenageado e até premiados. Neste século um arrivista da política, que de “namorado” só se terá reconhecido no seu perfil narcísico quando desfolha a “Caras” ou revistas do tipo, decidiu pura e simplesmente acabar com o referido prémio. Pedro Santana Lopes, que até já foi primeiro ministro de Portugal (!!!) substituiu “Prémio Joaquim Namorado”por foguetório para animar a populaça a banhos na Figueira da Foz.A quem colocou Chopin a tocar violino não se podia exigir mais!
Somerseth Maugham gostava de dizer que um dos aborrecimentos da vida é ser mais fácil abandonar os bons hábitos que os maus. A grande qualidade contemporânea da maioria da classe política que vai polvilhando a administração local e central é a sua falta total e absoluta de sinceridade. Maus hábitos começam a transformar-se cada vez mais em farsantes e o que acaba por ser ainda mais deprimente, é que a maioria das pessoas também acaba farsante porque acredita no que dizem e nunca fazem, argumentando e jurando a pés juntos que não acreditam neles. Como dizia outro farsante Oscar Wilde, “um pouco de sinceridade é uma coisa perigosa, e muita sinceridade é absolutamente fatal” . É isso!
Contudo não se deve confundir classe política com a política, ou com a discussão política e as ideologias, por mais pueris ou idealistas que pareçam. Voltou a ouvir-se insistentemente os velhos clichés de outros tempos em “que a minha política é o trabalho”, “os políticos são todos uma merda” ou “a política não dá pão a ninguém”, etc. A realidade é que há politiqueiros que se fazem na politiquice, ganham o pão e querem que as pessoas achem que sem eles a terra não gira e o sol nunca aparece! Foi essa retórica, ou parecida que fez florescer as ditaduras e democracias travestidas de conceitos neoliberais, por isso olho sempre com reserva esse léxico. A desilusão acumula-se quando participo em sessões ou jantares de cariz partidário e ouço a maior parte dos intervenientes, onde faltam ideias e sobra cada vez mais intriga pessoal sobre o desmando de certos mandos.
Jorge de Sena, na sua angústia perpétua, na longa distância do exílio onde os tiranetes parecidos com alguns que por aí andam, o colocaram disse: "O nosso mal, entre nós, não é sabermos pouco; é estarmos todos convencidos de que sabemos muito. Não é sermos pouco inteligentes; é andarmos convencidos que o somos muito".
Fernando Pereira
10-10-2011

11 de outubro de 2011

Entrevista que fiz a André Mingas em 6-2-2011 e depois publicada no Novo Jornal nº165 de 18-3-2011 em Luanda /Colocada neste blog no dia da sua morte.





1-André Mingas, Nietzche definiu arquitecto como “música parada no tempo”. Partilha esta opinião de que homem músico, artista plástico e arquitecto são tudo o mesmo?

André - Não, de modo algum! Hoje a arquitectura, mais do que desenho, ela é a maior expressão das artes, na medida em que engloba não só o desenho das claves musicais expressas nos traços do arquitecto, mas também o teatro através da expressão, às vezes dramática ou alegórica tão comum a alguns edifícios na cidade, a dança, graças aos movimentos circulares (Niameyer) patentes na geometria descritiva, fonte inesgotável do acto conceptual. Mas ela vai mais longe, pois corporiza as artes plásticas que, mercê das formas e da estrutura cromática dos tons, se interligam com as cores dos interiores e exteriores das habitações, produzindo estados de espírito que vão desde a tranquilidade, ao desequilíbrio emocional, da energia à depressão, enfim, ao estado de entrega a novas actividades que geram saúde, disposição para a vida, predisposição para o amor e para a arte. O arquitecto é um gestor de vazios e silêncios, capaz de fazer surgir uma obra notável, num espaço onde antes apenas reinava impune, a subtileza do silêncio!

2-O AM acompanhou o crescimento de Luanda nos últimos sessenta anos, e simultaneamente foi actor e espectador de transformações sociais que houve neste período. Ajude-nos a perceber este crescimento no olhar de um arquitecto e simultaneamente agente cultural e político.

André-Luanda tinha duas opções no período pós-independência, a saber, uma primeira, que seria permanecer estruturalmente como era e, de forma multidisciplinar, definir critérios para a avaliação e preservação da sua história construtiva, valorizando a sua qualidade maior que seria a prestação de serviços sustentados pelas potencialidades turísticas que sugerem a ilha, a baía e uma marginal como a nossa; e a segunda, ser intervencionada na base da actualização do plano director da cidade, à época, gerando novas centralidades - aqui entendidas como núcleos autónomos, potenciados pelas necessidades essenciais dos seus habitantes. Infelizmente o advento da guerra precipitou um conjunto de situações que levaram às actuais sobrecargas a que a cidade está submetida, inviabilizando quaisquer programas de estruturação da mesma, não obstante os processos evolutivos levados a cabo pelo Governo e que me parecem notáveis e verificáveis.

3-Quando perspectivamos uma cidade, fazemo-lo num contexto de ser a melhor possível para o quotidiano de vida dos seus cidadãos. No contexto actual atrevo-me a dizer que pior é impossível. È irreversível alterar o quadro geral da “desorganização” da cidade?

André - A caracterização é sua! Mas não me parece que seja irreversível o actual quadro da cidade. Pode levar algum tempo, mas não a creio impossível. A imagem da cidade ou da província é sempre o resultado da organização funcional de cada um dos seus municípios. Qualquer cidade que consiga vincular os seus municípios a programas executivos claros, tendo como pressupostos da sua acção questões como: o saneamento básico, a segurança, a saúde, a educação, o entretenimento, espaços verdes estruturados em parques e praças (evitando deste modo os grandes níveis de impermeabilização dos solos), a autoridade e os serviços públicos desconcentrados, para gerar emprego com a componente de uma maior proximidade dos serviços aos seus munícipes, têm possibilidades inimagináveis de sucesso.
Outro dado fundamental é a interligação viária de cada um dos municípios com o resto da cidade (grandes eixos) como forma de incremento da mobilidade tornando-se naturalmente numa cidade desanuviada, organizada, e regularizada sob o ponto de vista funcional.

4-O contexto da cidade de Luanda deve ser encarado como uma cidade africana, em todos os seus vectores culturais e económicos, incrustados nas relações que se estabelecem entre os seus habitantes. Mas todas as cidades em qualquer parte do mundo têm o chamado centro cívico, que Luanda já teve no tempo colonial, mas que foi perdendo com o tempo. Não seria um bom começo, para o que ainda se pode vir a fazer pelo ordenamento da cidade?

André - O conceito de centro cívico, característico das cidades radioconcêntricas como Luanda, tinha subjacente a ideia da concentração num local da cidade de um conjunto de serviços de prestação de assistência ao cidadão, que, no caso em apreço, seria a Mutamba! As tendências (linhas) de evolução facilmente observáveis na cidade, conduzem-nos a uma nova interpretação da mesma: A cidade deve criar núcleos habitacionais sim, interligados sob o ponto de vista da malha viária, mas autónomos sob o ponto de vista funcional, gerando, concomitantemente à habitação, infraestruturas necessárias e níveis de proximidade dos serviços que contribuam para fixação das pessoas nos seus locais de habitação. A cidade é o grande palco cujos actores e artistas somos todos nós, por isso tem que ser vivenciada com criatividade pelos seus cidadãos com alegria e satisfação!

5-Luanda hoje é uma cidade engarrafada, e as soluções para a circulação e estacionamento das viaturas são esquecidas, quando os prédios cada vez mais altos invadem o centro da cidade. Nas sociedades modernas tirar automóveis do centro das mega-cidades transformou-se quase numa fobia. Porque é que cada vez mais continuamos a construir prédios altos e espelhados, e no que deviam ser parqueamentos, temos que colocar geradores enormes e grandes centrais de ar-condicionado, com todos os nefastos efeitos ambientais decorrentes?

André - O erro, salvo melhor opinião, não estará nos edifícios altos, desde que controlados os níveis de impermeabilização do solo pelo excesso de betão ou de asfalto. Uma cidade sufocada por habitações degradadas, com um núcleo urbano tão pequeno como o de Luanda, tem que gerir e rentabilizar da melhor forma possível, o espaço que possui. Daí que a construção em altura seja naturalmente recomendável sem descurar a qualidade estética e projectual da sua edificação. Só que este pensamento deve, concomitantemente, propicar como política de Estado, a circulação pedonal - enquanto acto de socialização e de saúde pública - zonas verdes na envolvente do edificado em altura, para contrapor os efeitos da incidência solar sobre o betão, gerador de ondas de calor que contribuem para o aquecimento global da cidade.
Finalmente, parece-me sensato e recomendável, um maior rigor na aplicabilidade da lei que obriga a criação de estacionamento subterrâneo ou em altura no edifício (nalguns casos vem sendo feito), como princípio conceptual do próprio projecto, o que permitirá libertar a cidade dos actuais níveis de tráfego, gerando espaços que previlegiem o ser humano e a humanização da sociedade.

6- Na ausência de um Plano Director Municipal, de Planos de Pormenor, de zonas classificadas, de uma catalogação recente de Monumentos Nacionais ou Imóveis de Interesse Local, e outra legislação, que instrumento tem sido usado para a contínua descaracterização da cidade, algo que já vinha do tempo colonial e que o actual “boom” económico só veio a evidenciar de forma negativa?

André - O Governo criou um instrumento (IPGUL) que, repensado, transformar-se-á num instrumento essencial à cidade e à Província. Entretanto, a opção tem sido o recurso aos planos de urbanização, como aconteceu agora com os bairros do Sambizanga, Bairro Operário e Cazenga, com soluções integradas no sistema viário para garantir maiores níveis de mobilidade urbana. Esta acção permitirá manter algum nível de controlo sobre o processo evolutivo da cidade, recenseando cidadãos, integrando zonas degradadas no espaço urbano, tirar cidadãos da clandestinidade conferindo-lhes cidadania, levar espaços e praças verdes como alimento à sede inesgotável de comunicção (que persiste como cultura nos musseques), controlar e combater o desemprego, a criminalidade, apostar na segurança e no incentivo a ciência e tecnologia através da vulgarização da internet garantindo assim conhecimento, cultura e qualidade de vida.
Por outro lado, far-se-á, de forma equilibrada, o aproveitamento de um espaço ímpar (musseques) para o crescimento e dignificação do cidadão e da cidade.

7-Não seria oportuno que se criasse com carácter de urgência para Luanda, algo do tipo “Sociedade de Reabilitação Urbana”, de forma a fazer rápido o que qualquer cidade tem que ter para se tornar local de vida e não um lugar de sobrevivência?

André- Em minha opinião, os movimentos cívicos são sempre muito importantes, pois dão-nos não só a percepção da real massa crítica da sociedade, mas também a possibilidade de melhor nos percebermos das opções dos cidadãos na procura da satisfação das suas necessidades. E neste particular, considero o exercício democrático da adopção do conceito da gestão particpativa das cidades, uma solução aplicável conduzindo a bons resultados na medida em que os cidadãos tomam contacto com as grandes acções a que o Estado se propõe, podendo contribuir, de forma positiva, para o enriquecimento da vida e da funcionalidade da sua comuna, município ou cidade, reforçando em definitivo o sentido de cidadania e o espírito democrático que subjaz à postura do Estado.

8-É ainda possível construir uma cidade com transportes públicos a funcionar, um equipamento escolar e de saúde acessível a um conjunto significativo de cidadãos, parques onde simultaneamente se estimulasse o convívio e o lazer dos moradores, estabelecimentos comerciais, serviços públicos, em síntese, algo que do tipo do que foi dito na Bienal de Arquitetura de Veneza de 2000 que diz:” A cidade é um habitat humano que permite com que pessoas formem relações umas com as outras em diferentes níveis de intimidade, enquanto permanecem inteiramente anónimos”?

André- Sem dúvida. Nós temos no País velhas vilas coloniais a que chamamos cidades. Em minha opinião, precisamos/devemos intervir com planos estratégicos de desenvolvimento, aproveitando o facto de as nossas cidades se terem desenvolvido muito pouco, para gerar um novo conceito "de cidade", consubstanciado numa educação que tenha como base a ciência e a tecnologia, a cultura, a promoção e defesa do meio ambiente, através da preservação da pujante natureza de que somos portadores, atendendo à transversalidade desta matéria. É igualmente importante fomentar a criações de novos postos de trabalho como factor de fixação dos cidadãos nos seus locais de habitação, assim como a mobilidade, a segurança, o bem-estar social e a circulação pedonal que torna permeável a socialização.

9- Porque isto é uma entrevista “sem rede”, em que o AM se disponibilizou a responder a tudo, posso perguntar-lhe que sentiu um arquitecto quando deitaram abaixo o Palácio D. Ana Joaquina, os Coqueiros, o mercado do Kinaxixe ou ainda mais recentemente a emblemática estação de Caminho de Ferro da Catumbela?

André - Angola deve corporizar à imagem da sua história construtiva com obras notáveis realizadas pelos seus filhos, incluindo as peças emblemáticas deixadas pelos seus colonizadores, cuja história não se apaga naturalmente. Mas não se pode negar à Nação, o direito de definir o que, sob o ponto de vista histórico, arquitectónico e estético, deve ou não permanecer nos seus principais centros urbanos, como elementos referenciais da sua história construtiva, particularmente quando o conjunto de memórias pertence apenas a uma ou duas gerações específicas.
A história deste Estado Novo e Democrático que vem ganhando corpo, não pode ser feita apenas com o rosto da tortura, da escravatura, das dores acumuladas pelas humilhações de que foram vítimas os nossos ancestrais durante vários séculos, relatos de derrotas e imagens do pensador. Enquanto Nação, temos uma história gloriosa e ela deve estar patente nas formas físicas da cidade incluindo na estatuária. Este é o meu tempo e como cidadão e arquitecto, recuso-me a adoptar uma cultura de contemplação relativamente ao que, ousadamente, as outras gerações nos legaram. É preciso reivindicar o direito e o espaço que o tempo nos confere, para deixar marcas da minha e nossa geração no território, fazendo história!

10- O que sente o arquitecto, quando vemos o Dondo, Massangano, Cambambe e outros centros históricos, monumentos e sítios a degradarem-se de tal forma que torna irreversível o seu talvez desejável desaparecimento?

André - É uma questão de sensibilidade extensiva a todos os cidadãos independentemente das suas qualificações, visto que o património diz respeito a todos nós. Mas, por outro lado, é preciso não generalizar a ideia segundo a qual o edificado torna-se património apenas porque é antigo e nunca como parte integrante e indissociável das nossas memórias. No caso em apreço, que se traduz num detalhe gritante e apelativo a todos, é preciso que as instituiçoes a quem o Governo atribuiu responsabilidades, proponham planos e programas de revitalização histórica, planos suficientemente sustentáveis, de salvaguarda do património, para que sejam convincentes e se tornem objecto de orçamentos direccionados para a preservação da história física da cidade.

11- O ensino da arquitectura em Angola desde a fundação da primeira faculdade no fim dos anos setenta tem permitido aumentar a qualidade dos formados pelo que perguntaria se tem sido simultaneamente dadas condições aos docentes para potenciarem novas experiencias adequadas à realidade angolana em transformação nestes trinta anos de “mobilidade politica, ideológica e económica”?

André- Mais do falar mal da escuridão é preciso acender uma vela.
Por questões deontológicas não quero, não devo, nem posso pôr em causa o esforço notável dos meus colegas que se dedicam actualmente, ao ensino da arquitectura. Mas sinto cada vez mais necessária e imperiosa a criação de dispositivos de suporte e de apoio ao trabalho que estas instituições de classe realizam de modo a que tragam para as faculdades de arquitectura - pela interacção que ela gera com o cidadão - mais-valias que se traduzam em apostas claras na ciência e tecnologia, através de protocolos de intercâmbio com as grandes faculdades do mundo.

Só assim será possível trazer a Angola pessoas para vivenciarem o pensamento novo gerado pelos aquitectos angolanos, fazendo das nossas cidades referências de tal grandeza, que mais ninguém saia de Angola e se deslumbre com Paris, o Rio, ou Roma.

12-Qual é a posição do arquitecto angolano, quando vê implantar num local da cidade um edifício igualzinho a outro que existe noutra qualquer latitude do mundo, e vê serem pagas fortunas por um projecto que não passa de uma fraudulenta fotocópia a uns arquitectos estrangeiros pouco escrupulosos?

André Mingas - Como deve imaginar, é dolorosa esta constatação, mas não se pode responsabilizar tão-somente o Governo. Neste caso concreto, a ordem dos Arquitectos terá que intervir propondo critérios que contribuam acima de tudo para a valorização e estímulo do trabalho dos arquitectos angolanos. Mas como deve imaginar é extremamente difícil gerir uma cidade onde noventa por cento dos cidadãos se considera arquitecto, produzindo, por iniciativa própria, alterações nas suas habitações, desactualizando o cadastro da cidade, gerando uma desestruturação generalizada do bairro e da cidade de um modo geral. A responsabilidade recai naturalmente sob quem aceita e aprova estes projectos, não reage, concede licenças e não pune!

13- Vamos sair de Luanda e vamos ao Lobito, Benguela, Namibe, Lubango e Huambo, onde talvez seja possível fazer alguma coisa, já que a voracidade do cifrão ainda não é tão acentuada!

André- Luanda e Benguela são hoje os maiores centros de emprego do País e é justificável que as pessoas procurem as cidades do litoral num esforço de sobrevivência. A viragem para o interior através da criação de polos regionais de desenvolvimento, com apostas claras, por exemplo, na agricultura, indústria extractiva quer de minérios, quer de produtos pesqueiros e materiais de construção, pode constituir um fantástico gerador de emprego, suficientemente atractivo para provocar o boom do desanuviamento de Luanda na busca de melhores condições de vida. Estes factores, aliados a serviços como a saúde pública, a educação, a preservação ambiental, a identidade e as culturas regionais, pesarão bastante nas opções de deslocação para a capital.

14- Qual o papel do arquitecto na Angola do futuro?

André - Pensar o País e perspectivá-lo como uma Nação que se comprometa com o futuro, pensando e projectando para lá do edifício sem se deixar afectar pelo imediatismo. Tendo como base a riqueza da versatilidade da sua formação, os arquitectos e urbanistas angolanos de hoje e do futuro são uma classe potencialmente privilegiada, porquanto são profissionais que têm pela frente um País fantástico, sedento de acções que o dignifiquem, "abençoado por Deus", de beleza inegável, inexplorado e com esta grandeza espacial, que se constitui num incomensurável mundo de oportunidades para idealizar verdadeiros sonhos de cidades e centralidades.

É fundamental interiorizar a ideia segundo a qual, o projecto de arquitectura, mais do que uma obra, tem de ser gerador de uma nova cultura estética, construtiva de base identitária, assente nos valores da cultura local, à qual tem que estar subjacente, um compromisso claro com o futuro e a contemporaneidade, a bem do cidadão, das cidades e da Nação Angolana!


Entrevista feita por Fernando Pereira a André Rodrigues Mingas Junior em 6-02-2011

Neste dia triste em que morreu uma voz que em vida nunca se calou pelo melhor para Angola!

7 de outubro de 2011

DE MAO A PIAO / Ágora / Novo Jornal nº 194/ Luanda 7-10-2011






Quando cheguei aos cinquenta e cinco comecei a dar-me conta que não terei tantos cacimbos como os que já tive e dificilmente tornarei a ter tempos tão bons, por mais estabilidade que tenha na minha vida pessoal, profissional, e situação económico.
"Se há coisa de que tenho pena é o cinismo que traz a idade. Tenho saudades do tempo em que acreditava que tudo era possível, que podia mudar o mundo, que não havia limites para o meu engenho e perseverança. Ganha-se em maturidade o que se perde em sonho".
Mudando de assunto, porque não é absolutamente nada importante estar a fazer exercício catártico, acabei de me lembrar que faz este mês trinta e cinco anos que morreu Rex Stout, o criador do Nero Wolf, detective obeso, amante das orquídeas e da boa mesa e que na obra completa editada pela saudosa “Colecção Vampiro” , apenas saiu de casa uma vez num total de quarenta e seis livros. Sem acabar por ser o meu herói, esse é mesmo Philip Marlowe de Raymond Chandler, o Nero Wolf e o seu ajudante Archie Goodwin eram os que me ajudavam a descobrir prazeres, hoje corriqueiramente designados de gourmet, no meio de absurdos enredos policiais. Era um Sherlok Holmes com mais requinte e menos cabotino na acção.
Em Setembro comemorou-se o trigésimo quinto aniversário do falecimento de Mao Tsé-Tung, provavelmente a figura política mais controversa e “omitica” de todo o século XX.
Aqui há uns anos fiquei entusiasmado com a leitura dos “Cisnes Selvagens”, de Jung Chang, uma professora doutorada no Reino Unido em York em 1982, depois de um percurso que passou desde guarda vermelha, agricultora, metalúrgica e electricista, tendo estudado inglês o que lhe valeu tornar-se leitora assistente na Universidade de Sichuan.
Há cerca de quatro anos, num fôlego li um “tijolo” de oitocentas e cinquenta páginas do livro “Mao, a História Desconhecida” de Jung Chang em colaboração com o seu marido Jon Halliday, especialista na história da União Soviética. Este livro é uma pungente descrição do que foi a ascensão do Maoismo na China, em que autora viveu, conviveu, partilhou e apoiou muitas das situações que hoje parecem-se no mínimo do domínio de um quase estado de catatonia colectiva.
Nunca partilhei ideias maoistas, mesmo num tempo em que começaram a ser moda em universidades na Europa nos anos sessenta e setenta, um pouco para combater algum imobilismo em que tinha caído o movimento comunista internacional após as sucessivas subidas ao poder de Krutschev e Brejnev na União Soviética. O “aburguesamento” e a “burocracia” eram as acusações que o maoísmo fazia ao período post-Staline em relação aos partidos comunistas alinhados com o PCUS.
Este livro é uma história terrível de um mundo que urge ser expurgado de determinadas mentalidades que não permitam desmandos que a coberto de uma “revolução cultural” se desprezaram valores caros ao marxismo e à construção de uma mentalidade de homem solidário e participativo numa sociedade onde as diferenças de classes se esbatessem.
Mao foi um sátrapa, e é assim que a história tem que ser reescrita.
Para não ser tudo mau conto-vos a história de um quadro dirigente angolano numa visita à China num contexto de uma visita de “Amizade e Estado”. Iam num comboio visitar uma cidade onde havia um centro siderúrgico importante, e depois de algumas horas de viagem, o homem diz: “Estes tipos ainda falam mal de nós, há duas horas que só vejo capim”; Escusado será dizer que estava a falar de campos de trigo! Quando se começou a aproximar da cidade, que me deslembro o nome, e era de noite, virou-se para o resto da comitiva e disse: “Uma cidade como o Uije”.; A cidade tinha uma população de setecentos mil habitantes e era só um dos maiores centros de industria pesada do País. Nalguns detalhes somos inultrapassáveis.
Sem querer alimentar discussão estéril, começo a achar que o José Agualusa usa a questão da poesia do Agostinho Neto como marketing, pois faz coincidir esta polémica normalmente quando tem um novo livro para apresentar. Tem sido recorrente nos últimos tempos isso acontecer, mas acho que é completamente desnecessário esse recurso já que escreve magnificamente e tem um publico fiel que o aprecia, onde me incluo. Li “A educação sentimental dos pássaros”, um conjunto de onze contos, e apesar de não ter sido o melhor “Agualusa” é um livro interessante que destoa positivamente da vulgaridade. Desprecisa mesmo de procurar chamar a atenção com outras coisas. Basta escrever!

Fernando Pereira
4-9-2011
Related Posts with Thumbnails