13 de março de 2009

IIª JOGOS DA ÁFRICA CENTRAL / A maior organização desportiva de sempre em Angola! II /Ágora / Novo Jornal/ Luanda 13-3-09




Os recursos disponíveis, o marketing, a distensão política, a paz, são toda uma série de factores que em nada se assemelham nas situações. A ideia que vai prevalecendo a quem está por fora, é que poderia ter havido um maior comedimento nos gastos, ou talvez mesmo uma lógica de menos esbanjamento, na organização do CAN 2010.
Descumpre-me fazer uma abordagem sobre isso, porque na realidade estou distante da organização, e tudo que pudesse dizer seria naturalmente fruto de uma opinião condicionada por opiniões terceiras, o que por muito isentas que me pareçam, devem sempre ser usadas com alguma parcimónia, principalmente quando se escreve publicamente, e não numa discussão de um grupo de amigos num qualquer período de lazer, em que quem disser pior é o mais esclarecido, como acontece normalmente entre angolanos, sem expatriados por perto, entenda-se.
Volto aos IIºs Jogos da África Central, onde tive a honra de ter sido adjunto do Director Geral e Desportivo dos Jogos, José Sardinha de Castro, pessoa de uma integridade e proba na sua vida quotidiana e na política , aliás manifestado em todos os locais públicos onde foi colocado ao nível do aparelho do estado, quer enquanto ministro, quer na empresa estatal onde actualmente exerce funções de responsabilidade de tomo.
Essa equipa que conseguiu montar esses jogos, liderada por Rui Mingas, teve como secretário-geral o Engº Helder Moura, com o Dr. Paulo Murias na área médica, com o José Martins a coordenar a parte financeira e logística, com o Franklim Dias no domínio das infra-estruturas e equipamentos, Espírito Santo, José Cohen, Raquel Grácio, Dantas Cardoso, os saudosos Matos Fernandes, Vieira Dias, Chico Sande Lemos, o falecido Juca, Gilberto Simão, João Maiel, Teixeira Gomes, Fernando Fonseca, José Barata, António Anapaz, o cubano Máximo, Fátima Fernandes e tantos outros que não deveria olvidar, na organização desportiva das provas conseguiram constituir um grupo de grande qualidade, voluntariosa e impoluta, que fizeram desses jogos um dos primeiros factores de afirmação de uma RPA forte num contexto africano, então dominado pela política de blocos, e pelo acumular de golpes de estado permanentes na maioria dos países.
Coincidente com a abertura dos jogos, e na transferência da presidência da zona IV de desenvolvimento, a que Angola pertencia ao tempo, o ministro dos desportos da Republica Centro Africana que se encontrava na Cidadela, tinha acabado de ser demitido, já que um golpe de estado tinha substituído o seu Presidente da Republica.
Os Camarões eram a maior potencia desportiva da zona, e conquistaram 52 medalhas, mas já sem a razia que tinham feito em Liberville no Gabão em 1976 com 26 medalhas de ouro num total de 57 ganhas. O Congo e o Gabão mantiveram as suas posições na tabela das medalhas nos dois jogos, mas Angola ultrapassou em Luanda um Zaire (hoje RDC) que era particularmente temido em femininos. O Burundi e o Rwanda, foram excelentes no fundo e meio fundo, e com a presença do Tchad e S. Tomé e Princípe a participaram praticamente sem grandes esperanças em termos competitivos. A ausência da Republica Centro Africana em termos de atletas foi justificada com a instabilidade que então se vivia no país, justificação semelhante à da Republica da Guiné-Equatorial, que contudo enviaram alguns observadores, que eram os ministros dos desportos e alguns assessores, e que deram algum trabalho pois exigiam atenção cuidada!
Para quem teve o privilégio de ter feito parte desta equipa notável, de gente boa, de pessoas disponíveis para resolver todos os mínimos e máximos pormenores que ocorriam um pouco por todo o lado durante os jogos, para obviamente não se falar do que foram os meses anteriores, no encontrar soluções e recorrer a expedientes diversos para evitar que tudo estivesse “mais ou menos”, em ordem naquele solarengo dia no distante 20 de Agosto de 1981.
Nesse dia, milhares de alunos, de vários estabelecimentos de ensino, treinados por técnicos cubanos e angolanos deram um colorido e uma organização a um espectáculo que atrevo-me a dizer, que não me pareceu que tivesse uma falha, e que para quem assistiu e participou passou a ser inesquecível. Tudo foi fruto de treino meses a fio, sem alimentação adequada, mas de uma forma entusiasmada e conseguiu esta juventude anónima fazer mais por Angola naquele momento, que muitos já tentaram noutras circunstâncias esbanjando muito mais.
Ainda conservo, nos meus baús, uns chapéus notáveis, que foram distribuídos aos milhares e que deram uma garridice a Luanda, que talvez se tivesse começado a habituar a outras cores, e que só muitos anos mais tarde veio a acontecer quando os pleitos eleitorais sobrevieram.
Como disse o meu querido amigo, professor António Sousa Santos, num trabalho que então fez para a Áfrique Asie: “Dez dias de competição, com altos e baixos, mas a primeira medalha é para os organizadores”.
CONTINUA

1 comentário:

Filipe disse...

Meu caro , saúdo pelo iniciativa, 30 anos passados ainda guardo a medalha comemorativa dos jogos, mas esqueceu se de mencionar o professor Parra com seu mau feitio, consegiui grandes efeitos...um bem haja

Related Posts with Thumbnails