18 de outubro de 2008

Acácias que floriram em “Álamos”/ Novo Jornal / Ágora/ Luanda /17-10-08





No dia 9 de Outubro de 1978, falecia Jacques Brel, uma das muitas vozes, que acordou muita consciência, e as levou a trilhar o caminho do inconformismo.
Brel, tem temas que são intemporais, e que marcaram o canto de intervenção, numa fase primária, do tempo em que as palavras e as músicas começavam a desafiar os poderes e a ideologia instalada.
Foi um militante de causas em toda a sua vida, e apoiou muitos desconhecidos intérpretes, que na fuga à repressão nos seus países o procuravam para que os apoiasse nos seus projectos, e quiçá nalgumas utopias.
Entre os muitos que receberam esse apoio de Brel, conta-se o homem do Huambo, Luis Cília, que para a editora Chants du Monde, faz o seu trabalho Portugal-Angola: Chants de Lutte, disco esgotadíssimo, com uma capa coberta de fotos que ilustravam os desmandos do mando colonial em Angola.
Não era para vir a propósito, mas já que se falou em Brel ou Cília, lembrei-me de falar de Luis Filipe Colaço, o próprio colaborador deste jornal, que de uma forma diletante no aspecto de intervenção musical, e militante enquanto homem de causas, foi colaborador directo, de discos que assumiram um papel histórico nos desenvolvimentos políticos de Portugal na ultima trintena do pretérito XX.
Em 1969, num trabalho de grande fôlego de Adriano Correia de Oliveira, “ O Canto e As Armas”, o Phil Colaço para além de viola-solo, musicou “O canto da nossa tristeza”. Em 1970, fez com José Afonso, o “Traz outro amigo também”, onde colabora o Carlos Correia “ Boris”, que é natural do Chinguar e professor universitário em Coimbra. Já agora, convém lembrar que o Boris, é uma alcunha que ultrapassou o próprio nome, e surge tendo em conta as parecenças físicas deste com Boris Karloff, actor inglês que fazia de príncipe de Frankenstein, alcunha em que a paternidade é do seu conterrâneo Orlando Rodrigues, ilustre jurista, e contemporâneo de ambos em Coimbra.
Em 1971, Luis Filipe Colaço e Bóris, acompanham José Afonso no extraordinário “Cantigas do Maio”, onde está o célebre “Grândola Vila Morena”, musica que foi a senha para o inicio das movimentações militares que levaram ao derrube do fascismo em Portugal, e do colonialismo nos territórios por si dominados.
Há uma cena engraçada sobre a gravação desta canção, que é feita com recurso apenas à voz, e com a necessidade do acompanhamento ser apenas feito por uma marcha. Como não havia pés em numero suficiente para que o efeito fosse o desejado, o Bóris lembrou-se que tinha visto no quintal do estúdio em Paris, onde se faziam as gravações, uma quantidade de brita, e num improviso gravado às três da manhã, para evitar ruídos acessórios, todos os músicos a marcharem, e que deu o resultado desejado. Neste trabalho colaborou também José Mário Branco.
O Luis Filipe Colaço, era viola solo de um conjunto muito em voga no yé-yé português, “Os Álamos”, na esteira da globalização que os Beatles imprimiram nesses magníficos anos 60.Formado em 1963, “Os Álamos” eram requisitadíssimos por todo o lado, e o Gorduras, nome porque era conhecido o Colaço, era segundo se consta, muito requisitado por hordas de fãs que acompanhavam o conjunto.
Este conjunto, para onde entrou em 1969, o Boris, nasceu do “Conjunto de Jazz do Orfeon Académico de Coimbra”, que no dealbar dos anos 60 era o único espaço de algum interesse, na choradinha e lúgubre canção coimbrã, impropriamente chamada de fado de Coimbra.
Já que se fala do Orfeon Académico de Coimbra importa referir que Lúcio Lara, sua esposa Ruth e Carlos Mac Mahon Vitória Pereira, foram orfeonistas no início dos anos 50, tendo Lúcio e Ruth, depois cantado no Coro da Academia dos Amadores de Musica de Lisboa, dirigidos pelo maestro Lopes Graça.
Anos mais tarde, no fim dos anos 70, Lúcio e Ruth cantaram no Karl Marx, no Coro da Academia, regidos pelo maestro Lopes Graça, que pouco tempo depois falecia, provavelmente a repetir uma frase que ele adorava citar do José Gomes Ferreira: “Recuso-me a ter mais de vinte anos!”

Fernando Pereira

2 comentários:

Fantomas disse...

Interessante blog! Posso utilizar esta foto de Os Álamos no meu blog??

karipande disse...

Sim, sem problemas...
Esta foto foi tirada nos anos 60 em Oliveira do Hospital por João Mano.
Já agora gostava de ter uma referencia aqui do seu blog, embora desconfie que seja os Reis do Ye-Ye, que de qd em vez vejo!
Um abraço
Fernando Pereira

Related Posts with Thumbnails