2 de maio de 2009

Os sobrados em Luanda (II)/ Ágora/Novo Jornal / Luanda 17-04-09






Luanda era no virar do século uma cidadezinha costeira, que sempre me deixa algumas interrogações sobre o seu crescimento, pois a água rareava, ainda hoje sucede, e é das poucas cidades africanas que não está nas margens de um rio.
A cidade alta era constituída com a referência do Palácio do Governador, Episcopado, Misericórdia e um ou outro serviço publico. Porque era a zona dos funcionários e do clero, não era um local onde houvesse muito comércio, embora houvesse casas notáveis, que hoje vão ameaçando ruína.
Caracterizavam-se por terem grandes portas, divisões de tetos altos e janelas muito grandes, com curiosas bandeiras como decoração. Todas as divisões tinham ligação entre si, e o primeiro andar, que era a parte mais importante da casa, tinha um chão feito de madeiras de excelente qualidade. A construção era de pedra e paredes grossas, de forma a torná-las mais frescas. O piso térreo era para arrumos, e local onde viviam os serviçais.
Eram particularmente “cochichados” as festas e as suas incidências no “Jardim da Cidade Alta”, apenas acessíveis aos que estivessem na “boa conta do governador ou do clero regular”.
Com o crescimento da burguesia de origem portuguesa, na baixa de Luanda, no que outrora foi a rua Salvador Correia, hoje rainha N´Zinga, aliada a uma legislação racista, na tentativa de copiar a política britânica de Cecil Rhodes, as grandes famílias de Luanda entram em agonia, pois perdem influência económica, e é-lhe retirado de uma forma algo soes, muitos terrenos e propriedades, conseguidas por negócios e casamentos de conveniência, algo que era normal ao tempo, em Portugal e colónias.
Faço aqui um pequeno intervalo, para referir que no recente livro sobre o Dr. Eugénio Ferreira,” Um Cabouqueiro da Angolanidade”, nos documentos lá colocados por seus filhos, fala-se que por exemplo a “família Assis” era dona de terrenos que iam da “Exposição Feira” ao Cacuaco, e por não estarem registados foram-lhes todos tirados pelas autoridades coloniais.
A verdade é que a partir de certa altura só a burguesia mercantil luandense, que já tinha o privilégio de eleger um deputado às cortes, passou a deter a presidência da Câmara Municipal, inerentemente dominava a comissão de recenseamento eleitoral. Claro que todas as famílias tradicionais de Luanda eclipsaram-se, e justificadamente começaram a aparecer os primeiros focos de indignação tendo a germinado um ideal de autonomia, e independência em relação a Portugal.
A burguesia mercantil do fim do século XIX em Luanda, acantonava-se junto à baia, pois era aí que pulsava a vida económica da cidade, que era limitada pelas Ingombotas, um muceque, para onde foram empurrados os serviçais numa primeira fase de crescimento da cidade.
A Rua da Alfandega, a “Salvador Correia” eram o centro do comércio e também do bom gosto das casas de Luanda ao tempo. Com um piso térreo para charretes, loja, armazém, deixavam o primeiro andar para a família do proprietário, que em grandes salões, caiados de branco, com tecto altíssimo e nalguns casos trabalhado, viam-se “boas baixelas de prata, mobília importada do Brasil ou de Boston, o dourado dos espelhos suspensos sobre a consola, charões ricos sobre pedras de mármore e, recolhido no bojo do imponente aparador , lá estava o aparelho de louça inglesa, de tons leitos e aristocráticos” (George Tams in Visita às possessões portuguezas na costa occidental de África).
Vivia-se calmamente Luanda, com alguma cultura à mistura, pois importavam-se livros directamente de França e da Alemanha, em valores que eram interessantes para a época, e as pessoas cultivavam a musica e tinham algum cuidado no vestir, pois se virmos facturas da época, tecidos finíssimos de Paris, boquilhas, bengalas com cabos de prata, cachimbos, alfinetes de peito, brinquedos e perfumes, provava que alguém os comprava e consequentemente utilizava.
Com o deixar cair da “Cidade do Sobrado”, a Luanda de hoje só faz um favor ao colonialismo de mentalidade serôdia, que é o de deitar abaixo tudo que transpire a “antiguidade”. Em lugar das velhas casas da Luanda que respirava, vamos vendo novos E15s (prédios de habitação social construídas por cubanos no dealbar da independência, que tinham um projecto igual ao que fizeram noutros lugares do mundo e até em Havana).
São mais envidraçados, consequentemente pior para o ambiente, e de facto só conseguem tornar a cidade a rever-se cada vez menos em si própria, e já é inútil pedir muito mais, mas pelo menos tirem fotos ao que ainda está de pé para memória futura.

No "Novo Jornal" de 15 de Maio de 2009, foi publicado uma extensa carta sobre o artigo, por parte do Engº Aires de Menezes Assis, que transcrevo na integra:
Exm.º Sr. Fernando Pereira


Tendo lido a sua coluna, ÁGORA, do
Novo Jornal, do dia 17/04/09, cujo título
é “Sobrados de Luanda II”, e não
concordando com o modo como são
lá abordadas algumas das questões
que dela fazem parte, venho por meio
desta tecer alguns comentários, relativamente
ao pouco que sei sobre as
mesmas. Sei que este texto é bastante
grande para uma só edição, mas agradecia
que o publicassem, na sua totalidade,
mesmo que de forma repartida.
- Segundo, Jared Diamond, antropólogo
Norte-Americano que publicou
uma obra bastante interessante, ”Armas,
Germes e Aço - Os destinos das
Sociedades Humanas” – Editora Relógio
de Água, das quatro (4) grandes
descobertas da humanidade, o fogo, a
agricultura, a roda e a escrita, os povos
bantus desconheciam as duas últimas
e só delas tomaram conhecimento,
com a chegada dos colonizadores
europeus. Só começaram a utilizá-las
muitos anos após essa chegada e por
influência destes. Isso não significa
que não contassem a tradição oral, os
acordos e leis verbais, que tinham mais
valor que qualquer papel escrito que se
começou a utilizar por imposição dos
mesmos, para seu proveito.
Foi o que aconteceu com os terrenos da
família Assis, que iam desde a “exposição
feira” (zona a que hoje corresponde
o bairro designado por Miramar) até
ao Cacuaco e que por não estarem registados,
lhes foram retirados.
A minha avó paterna contou-me algumas
vezes que o meu trisavô António
Diogo de Assis, homem do primeiro
quartel do Séc. XIX, era dono de um
grande terreno nessa zona.
Facto relevante, relativamente ao que
atrás foi escrito, é eu julgar só ter começado
a ser prática corrente, o registo
de propriedades e o pagamento de
impostos sobre vendas e aquisições,
em meados do Séc. XIX, como por
exemplo a compra que a minha bisavó
paterna fez da casa onde nasceu o meu
pai, cujo ano de registo é o de 1899 e
que tem uma das primeiras matrizes
prediais da Repartição de Finanças da
área onde está localizada.
Porém, a prática de esbulho de propriedades
por parte das autoridades coloniais,
às famílias tradicionais e não só,
também ocorria quando existiam documentos
que comprovavam a posse
das mesmas. Um desses exemplos
ocorreu com os terrenos que correspondem
hoje à zona da tourada, cujos
proprietários eram entre outros o meu
avô paterno, António de Assis Júnior
e Fernando Vieira Dias, e que nos primeiros
anos da década de 50 lhes foram
retirados por razões de interesse
público, (julgo ser esta a designação)
para se construírem os quartéis para
o exército português. Quando o primeiro
fez a reclamação junto das instâncias
competentes, comunicaram-
-lhe, que por ter prescrito o prazo para
a apresentação da reclamação, já não
era possível recorrer.
Quando escreve que, “claro que todas
as famílias tradicionais de Luanda se
eclipsaram, e que justificadamente começaram
a aparecer os primeiros focos
de indignação”, não estou de acordo
com a frase, pelas razões que a seguir
exponho: quando se dá a instauração
da República em Portugal, as leis e práticas
das autoridades coloniais endureceram
para com essas famílias, como
por exemplo, obrigando muitas delas
a mudarem-se das suas propriedades,
onde habitavam há décadas, para zonas
mais distantes, alegando a falta de
documentação relativa às mesmas como
aconteceu da zona da Ingombota
para o Bairro Operário. Mais do que
gerarem indignação despertaram, em
alguns elementos dessas famílias que
tinham atingido a idade adulta nessa
altura, o “ “cabouqueirismo” da angolanidade”
e não noutros, que para
além de serem uma ou duas gerações
mais novos, não são referidos nas primeiras
manifestações desse “cabouqueirismo”,
já publicadas por alguns
autores ou narradas pela tradição oral.
Exemplos disso, são :
A história que me foi contada algumas
vezes pelo meu pai, sobre a visita, em
1907, do Príncipe Herdeiro Luís Filipe
às colónias da Guiné, São Tomé e Angola,
visita esta documentada no romance
“EQUADOR” de Miguel Sousa
Tavares, tendo-se esboçado um plano
para o rapto do Príncipe, quando este
desembarcasse em Luanda. O resgate
para a libertação do mesmo seria a Independência
de Angola.

Tendo havido uma denúncia, antes
da chegada do navio relativamente a
esse plano, o Príncipe desembarcou
não com o seu traje de cerimónia, mas
com um traje de marujo e no meio dos
marujos o que fez com que passasse
despercebido, inviabilizando o plano.
O meu avô António de Assis Júnior, na
altura com trinta anos, (1877-1960)
participou neste plano.
Relativamente a António de Assis Júnior,
por tudo aquilo que tenho lido
e me tem sido transmitido sobre ele,
posso afirmar, sem equívoco, que terá
sido o líder político angolano da primeira
metade do século XX, tendo sido
escritor, jornalista e advogado.
Leiam-se a seguir alguns dos exemplos
que sustentam esta afirmação.
Foi considerado o primeiro romancista
angolano, com a obra “O Segredo
da Morta”. Para além disso, publicou
também o “Relato dos acontecimentos
de Dala Tando e Lucala” , um Dicionário-
Gramática de Kimbundu-Português,
um livro de contos “Histórias de
Ngana Eusébio” existindo também,
embora só em fichas, um Dicionário-
Gramática de Português-Kimbundu.
Devido à falta de advogados na colónia,
nos finais do séc. XIX, início do
séc. XX, as autoridades da altura licenciaram
algumas pessoas, após um
exame, para exercerem advocacia. Ele
foi uma dessas pessoas. Foi também
durante alguns anos o Director do periódico
“O Angolense”.
Foi na qualidade de advogado que:
- defendeu os camponeses na revolta
dos Dembos de 1911, devido às condições
de trabalho a que eram submetidos,
o que resultou na sua primeira
prisão ( foi-me relatado pelo meu
pai);
- defendeu, também, enquanto procurador
judicial na comarca do Golungo
Alto, (1917), os proprietários
de terras que estavam a ser roubadas
pelos colonos. Estava-se no início
da era do cultivo de café que gerava
grandes fortunas. Dizia aos seus
constituintes que deviam defender as
terras com tudo o que tivessem para
isso, porque elas eram o legado dos
seus antepassados. Daí resultou a sua
segunda prisão por parte das autoridades
coloniais, o envio para a fortaleza
de São Miguel onde esteve alguns
meses e em seguida o desterro para o
Cuito-Cuanavale. Com ele estiveram
também presos, entre outros, Domingos
van-Dúnem, Manuel Correia Vítor,
Agostinho Aleixo da Palma. Este
episódio foi por ele narrado no livro
“Relato dos acontecimentos de Dala
Tando e Lucala”;
- defendeu, enquanto também Director
do Periódico “O Angolense” os
camponeses de Catete, na altura com
44 anos (1922), que se revoltaram
contra os castigos corporais, prisões
arbitrárias, trabalho obrigatório por
cinquenta e dois (52) dias em casas
de particulares, pelo aumento de salário
devido ao facto de só receberem
vinte centavos diários pela recolha de
algodão ou pelo trabalho nas estradas
e pela abolição do pagamento do
imposto indígena a crianças de dez e
doze anos de idade. Na altura deslocaram-
se a Luanda cerca de sessenta
camponeses que dormiram em sua
casa, no actual Largo do Atlético (ex-
-Largo Luís Lopes de Sequeira). O resultado
dessa revolta foi a sua prisão
pela terceira vez, novamente na fortaleza
de São Miguel, a extinção da Liga
Angolana, cujo presidente na altura
era Manuel Inácio dos Santos Torres,
a suspensão do periódico “O Angolense”
e o encerramento da tipografia
Mamã Tita Lda. onde o mesmo era impresso
(na altura o administrador do
Jornal e da tipografia, e julgo eu seu
proprietário, era Manuel Pereira dos
Santos Van-Duném Júnior, também
membro da Liga), que segundo o auto,
não tinham sido estranhos a esses
acontecimentos. Este resumo foi extraído
do processo da Administração
do Concelho de Luanda nº 293, caixa
nº 2896 que se encontra no Arquivo
Histórico Nacional. É curioso que actualmente
existe em Luanda um “Semanário
Angolense” que é impresso
numa tipografia que também tem o
nome de Mamã Tita. Contudo, o primeiro
jornal “O Angolense” foi aquele
que existiu em Lunada no final do
Sec. XIX e para além dos três já citados
no final dos anos anos sessenta existiu
em Luanda um outro jornal “O Angolense“.
Pela ordem cronológica, “O
Angolense” do final do Sec. XIX, foi o
“cabouco/sapata/fundação” da angolanidade,
o dos anos 20 o “pilar”, o
dos anos 60 a “viga” e o actual a “placa”.
Continua
Aires Menezes de Assis
Engenheiro Mecânico - Pós-Graduado

Segundo o meu pai, jornalista de
“O Angolense”, contribuiu através
dos seus editoriais para a defesa dos
mais desfavorecidos e contra as injustiças.
A sua exaltação às autoridades
pela não existência de um Liceu
em Angola, de modo a evitar-se
que os “filhos da terra” não pudessem
prosseguir os seus estudos secundários
por limitações financeiras
ou dela sair para os prosseguirem em
Portugal, contribuiu para a criação do
Liceu Salvador Correia, em 1919. Entre
os anos de 1915 e 1919, todos os
domingos escrevia uma coluna sobre
cultura angolana, que tinha bastante
aceitação por parte dos citadinos da
capital; Nos últimos anos da sua vida,
foi professor de Kimbundo, na Escola
Superior Colonial em Lisboa.
Outro dos exemplos de ”cabouqueirismo”
da Angolanidade”, são:
- A fundação da Liga Angolana, em
1913, em cuja cerimónia de inauguração
esteve presente o Alto Comissário,
Coronel Norton de Matos e cujos
membros fundadores foram:
- António de Assis Júnior – sócio nº 1
e seu primeiro presidente;
- Gervásio Ferreira Viana – (pai do advogado
Gentil Viana);
- Manuel Inácio dos Santos Torres;
- Fernando Torres Vieira Dias;
- José Cristino Pinto de Andrade –
pai, entre outros, do Dr. Mário Pinto
de Andrade, (membro do 1º Comité
Director do MPLA, fundador, em Connakry
- 1960) e do Dr. Joaquim Pinto
de Andrade, que foi presidente honorário
do MPLA;
- A fundação do clube Atlético Clube
de Luanda em 1924, como consequência
de não terem deixado negros
inscreverem-se no Clube Naval de Luanda.
Neste caso, para além de ser um
dos seus, julgo que vinte e nove ou
mais fundadores, o nome de todos
eles foi lido em Abril de 2007 quando
se inaugurou a sede do Clube Atlético
de Luanda e Saudade, António de Assis
Júnior cedeu, o R/C da casa onde
morava para Sede do Clube e uma parte
do seu terreno, nos Coqueiros, que
foi o local onde até ao início da década
de 60 do séc. XX tinham lugar as actividades
desportivas do clube ”o quintal”.
Com a sua morte em Março de
1960, venderam o terreno, e o Atlético
mudou-se para a estrada de Catete.
No lugar dos coqueiros onde se situava
a casa do meu avô e o Atlético foram
construídos em finais da década
de 60 vários prédios, um deles o prédio
Assis, que ainda lá está.
A António de Assis Júnior foi dado pela
Câmara Municipal de Luanda, em
1972, o nome de uma rua, no Bairro
de Alvalade, onde só havia nomes
de escritores, na quarta transversal à
direita de quem desce a Rua Marien
Ngouabi (ex-António Barroso), em
cuja placa, para além do nome estava
escrito “Jornalista e Escritor. Séc.
XIX E XX”, assim também como ao
meu avô materno, o médico-cirurgião
Aires de Menezes, (cujo nome também
foi dado a outra rua de Luanda,
que é uma transversal à já atrás citada
Rua Marien Ngouabi, na altura em
que Mendes de Carvalho era Comissário
Provincial de Luanda). Mário Pinto
de Andrade, no seu livro “Origens
do Nacionalismo Africano” da Dom
Quixote, denominou os dois como os
maiores vultos do Proto-Nacionalismo
Africano das colónias portuguesas.
Uma prova de que nós não nos eclipsámos
é que os descendentes desses
homens continuaram a honrar os seus
apelidos, como:
- Médico(a)s (como por exemplo
Américo de Assis Boavida, o único licenciado
que morreu em combate na
luta de libertação nacional ou Hugo
Azancot de Menezes, filho do já citado
Aires de Menezes, o primeiro das
colónias portuguesas a chegar a Connacry
em 1959 e que se responsabilizou
perante Seku Touré por todos os
outros que por aí passaram nessa altura,
tendo-os inclusivamente apoiado
financeiramente, membro do 1º
Comité Director do MPLA, fundador,
em Connakry), advogado(a)s (como
por exemplo Diógenes de Assis Boavida,
o primeiro negro licenciado em
direito em Angola), engenheiro(a)
s (como por exemplo Licínio, António
Faria de Assis, que era o Director
Técnico da CUCA do Huambo, em
1971, quando uma das suas cervejas
foi premiada com a medalha de ouro
na sua categoria num concurso internacional
na Suiça ou a sua irmã Albina),
directores de Finanças, funcionários
superiores do funcionalismo
público, professore(a)s, escritore(a)
s, artistas, enfermeiro(a)s, atletas,
músico(a)s (como por exemplo
o “Trio Musical Assis”, formado por
Guilherme, Mário Alberto, mais tarde
médico e Fernando, mais tarde economista.
Quando Armandinho, que
segundo Carlos do Carmo, o expoente
máximo da guitarra portuguesa no
fado, nos anos 40 esteve em Luanda,
Guilherme acompanhou-o à viola,
tendo sido dele, em 1948, a primeira
guitarra eléctrica em Angola. Carlos
Aniceto “Liceu” Vieira Dias, Euclides
Fontes Pereira, Carlitos Vieira Dias,
Rui Vieira Dias Mingas, Belita Palma,
Lili Tchumba, Lurdes Van-Duném,
Manuel Faria de Assis são alguns de
entre muitos outros).
Aires Menezes de Assis
Engenheiro Mecânico - Pós-Graduado
em Gestão Empresarial
Sobrados de luanda
(fim)

Nota:Sem querer polemizar, sobre algo em que estamos no essencial de acordo, cumpre-me apenas dizer a Aires Menezes de Assis, que agradeço a contribuição que deu para o tema do Ágora, pois há pormenores, ainda que individualizados, são relevantes para o assunto de que se fala.
Quero contudo salientar, que não fui eu que "falei" da família Assis, mas transcrevo de um livro sobre o Dr. Eugénio Ferreira, recentemente editado e à venda em Luanda com o subtítulo: " O cabouqueiro da angolanidade".
Cumpre-me também dizer que este trabalho é suportado documentalmente por vários trabalhos, alguns citados no texto e outros omitidos, de forma a não carregar demasiado o artigo, e para não ultrapassar os limites que os gráficos naturalmente impôem.
Posso dizer que escrever sobre este tema, surgiu-me já há algum tempo,depois de ter lido o trabalho da historiadora Maria João Martins, no nº1 da revista Camões.
Tendo em conta o que li do seu comentário, só posso ficar preocupado pela mensagem não ter chegado como desejaria, pois no essencial concordo com tudo que escreveu sobre o meu artigo, nem vendo tampouco dissonancias na abordagem ideológica comum.

Fernando Pereira 15/05/09

CARTA ABERTA A AIRES ASSIS
Fiquei bastante contente pela tua carta longa , em resposta ao artigo de Fernando Pereira sobre a questão dos terrenos de Luanda , contida no livro “ Um cabouqueiro da angolanidade “ . Entre o silêncio objectivo com mujimbos em várias áreas e a potencial discussão séria sobre o tema que essa tua carta aparenta encerrar , prefiro sempre discutir publica e acerrimamente se fôr necessário, à tradição cúmplice e indirecta e muito rodeante das pseudo- vergonhas de qualquer pessoa ou grupo se poder e se dever afirmar . A cronologia que descreves te, no geral , está correcta pois não é certamente por seres engenheiro e estares ligado às estruturas físicas que não te podem tirar o direito de teres uma opinião e veiculares o que é uma trajectória possível de 2 das principais famílias com poder económico – financeiro pre-capitalista , desde tempos anteriores ao nacionalismo que deu forma a Angola, como sabes formalmente iniciado nos anos 30 do século XX , por mais individualismos e grupismos anteriores tivessem despoletado : a família Vieira Dias – cujo mais importante actor social e económico tinha a veleidade do comboio da linha Luanda-Salazar, passar e parar na sua Fazenda no hinterland de Luanda ; e Assis - que tendo até nome de muceque em Luanda e, enquanto expoente máximo conhecido , teve António Assis Junior ,um dos homens da “ revolta de Dalatando e Lucala “ e dos “ mata –branco “ de 1917 , publicado não apenas pela União de Escritores Angolanos nos anos 80 , pela equipa liderada por José Luandino Vieira , embora já conhecido socialmente nos últimos anos da I República 1910 -1926 . Porque nada do que afirmas contraria o que é factualmente dito no livro “Cabouqueiro da Angolanidade“ e avançado por Fernando Pereira , pouco pode ser contestado sem investigação que transcenda a oralidade. No entanto , na transição violenta do tempo da honra e dos acordos verbais para as leis escritas e de mercado ,que se desencadearam em Luanda , muito fica por dizer quanto aos processos de aquisição por parte dos antigamente conhecidos por “ senhores feudais“ que tinham um relaciona mento social e político estreitíssimo com as práticas e a jurisprudência dominantes, articuladas formalmente , repito , formalmente , à existência de arimos , tra balho serviçal , tributos em género a colonos e naturais da terra com poder económico que constituíam a antiga “classe dominante “, chamada “crioula” por Mário António . O que revelas tem a ver apenas com o que são os interesses e uma certa forma de tentar refazer história , muito característica dos antigos do minadores que são ultrapassados pelo progresso tecnológico, económico e político , no caso concreto na transição de um sistema que o nacionalismo liberta dor classificou de escravocrata , depois trabalho forçado , discriminatório , etc. , e que mais não era , cientificamente , do que a transição violenta para o capitalismo , como em qualquer lado do mundo e atingindo , com maior ou menor vigor, as classes e segmentos sociais até aí dominantes e exploradores como a dos teus ascendentes . Como constatação simples ,é uma ideologia que está nos antipodas do que foram os radicais defensores de um mundo mais justo e de de fesa dos mais explorados que trabalhavam quotidianamente ao serviço dos pro prietários de arimos e terrenos, que mantinham uma articulação , muitas vezes , ao funcionalismo público ou à administração local -aspecto que ainda hoje conti nua a não ser novidade! - , até por vezes como resistência e/ou como resguardo . É uma simples forma de pensar que não tem em conta a exitência dos formalmente serviçais e que, na prática, eram tratados como escravos e como ser vidores definitivos dos seus “ donos “ , por via reinol , quase hegemonicamente até à chegada ao Poder de Paiva Couceiro e Norton de Matos . Mas principalmente, é uma forma de pensar reprodutiva de quem se (res)sente como detendo um estatuto definitivo advindo dessa classe dominante antiga , em face das restantes famílias da angolanidade – a velha estória da escola primária sobre as origens ! - fossem elas ascendentes de colonos de ladra-vaz , fossem elas ascendentes do indigenato , ou seja , das zonas desde o Cuando Cubango a Cabinda ou desde o Bié e Cazombo ao Uije . É uma forma de pensar que não tem em conta que a sua própria família assentava o poder não apenas na escravatura doméstica , como em relações de produção formalmente tributárias e, principalmente , com antecedentes directos ao tráfico escravista para as américas . Em concreto, e porque tudo isto interessa ser discutido sem azedume , mas claramente como uma constatação histórica – os bisnetos não podem ser responsáveis por aquilo que de”bom”ou de”mau”os bisavôs foram e fizeram - , vou te deixar dois exemplos , que devem ser estudados com rigor e precisão e não como um qualquer pretenciosismo ou tentativa hegemónica do conhecimento - muito menos como qualquer “desforra histórica “ à moda dos vários tipos de nacionalismo , até por que , como sabes , não sei nada de engenharia , sequer social ou política : a) há cerca de um ano atrás , um dirigente do MPLA conhecido , dizia no livro que publicou , que era um homem originário de famílias humildes . Anos antes já eu tinha descoberto o apelido dele entre os principais proprietários do hinterland de Luanda no tempo daquilo que o Nacionalismo por ele próprio defendido, classificava de tempo de escravatura. Basta ir ver os papéis,algures no mundo dos arquivos deste planeta terra , para verificares que sendo por consanguinidade , por apadrinhamento ou por imitação do nome de pessoas com força social , por várias zonas da nossa terra - e pelo mundo inteiro aconteceu o mesmo embora em doses diversas -, te vão aparecer nomes de pessoas com apelidos muito conhecidos . E que não eram propriamente mais simpáticas para com os explorados desses períodos do que esses “estranhos” que vieram de longe. E duvido que entre todas as famílias da nossa terra , originárias de naturais da terra ou de colonos , haja uma única que tenha uma trajectória perfeita , pura e harmoniosa; b) falar -te da minha bisavó ou da minha trisavó materna , seja através da versão romanceada pelo Gentil Ferreira Viana , descendente do Gervásio empregado de um Despachante da Alfândega de Luanda, de que a Avó dele e a minha Bisavó eram “ raparigas “ que foram “adquiridas” por dois amigos lá pelos anos 80 do século XIX, algures no Cazengo , seja através das certidões das igrejas , que retenho em meu poder com algum gozo , é ficares a saber indirectamente que se eu tivesse a mesma ideologia ou maneira de pensar dos nacionalismos triunfantes-e agora tardios ! - desde 1930 até aos dias de hoje, estaria agora a escrever sobre a necessidade de eu , descendente de escrava comprada , me ter de desforrar desses donos de arimos , parasitas que não tratavam das respectivas propriedades e andavam à “ boa vida“ por Luanda – lê Américo Machado , irmão de Humberto e Ilídio , sobre esse tema em “Novos Ideais se alevantam “nos anos 30 e outros . Em suma , vê se convences outros de outras famílias a contar essa estória oralizada e não te esqueças , Míudo Aires , de colocar dentro dela , os tempos em que ias , nos anos 60 , com a tua Mãe Antonieta Menezes e o teu pai , futuro professor Assis de fisico-químicas do secundário ,algures no Casal de São Brás , Amadora , Portugal (suponho) , a casa do Vaz Monteiro, quadro médio –superior da CUCA , filho do governador de São Tomé e sobrinho do governador de Benguela Lima e Lemos , morador na actual Rua Kwamme Nkrumah, 174, 1ºesquerdo , por cima da casa do Romeu e da Lurdes , para melhor teres que desadocicar a estória da relação da luta histórica entre gente de origens muitas , no seio da an golanidade em construção , entre opositores convictos e aliados submissos do Poder Imperial , a um plano ; e entre explorados e exploradores , a outro plano . Tendo a partilha como ponto de partida e como ponto de chegada , por Angola , “Estamos juntos” .
EUGÉNIO MONTEIRO FERREIRA , 01/06/09

2 comentários:

Anónimo disse...

Li com atençao estes dois "artigos" sobre a História de Luanda e de Angola e o papel das famílias "tradicionais" de Luanda.A História é feita de confronto de ideias, sustentadas por documentação, escrita e oral. Felicito-os por este debate histórico.
Estudiosa destas questões, por via da toponímia da cidade, aqui pude colher informação preciosa.Permitam-me perguntar-lhes se Joaquim F. Boavida, evocada numa rua de Luanda, após a independência é descendente de Diógenes Assis Boavida e qual o seu campo de acção na História da cidade ou do país.
BJ

Filipe disse...

Também sou originário de uma família que também foi espoliadas dos seus terrenos, António João Caetano oficia de diligencia,meu avô paterno, teve que fugir para vila nova de seles, primo em primeiro grau de Anacleta Lopes Teixeira, o meu bisavô maternos,eram proprietários eram proprietários dos terrenos que entre a 1 conservatória e , o hotel trópico a, lavandaria mexicana, o eu pai foi contemporâneo de Franco de Sousa , Diogenes Boavida, Viriato da Cruz, que dispensam apresentações, o e meu tio irmão mais velho do meu pai,já naquele tempo era um dentista respeitado no Lubango...ainda guardo com muito carinho alguns documentos que sustentam as minhas afirmações, a minha ainda é viva e fala das famílias tradicionais de angola...só lamento a muitos que deixam os mundos dos vivos e não transmitem os factos aos seus descendentes.

Related Posts with Thumbnails